8. Discernimento: A Salvaguarda Do Reavivamento

Lição 8                                                                17 a 24 de agosto

Sábado à tarde

Ano Bíblico: Jr 24–26

VERSO PARA MEMORIZAR:

“Considera em como amo os Teus preceitos; vivifica-me, ó Senhor, segundo a Tua bondade. As Tuas palavras são em tudo verdade desde o princípio, e cada um dos Teus justos juízos dura para sempre” (Sl 119:159, 160).

Leituras da Semana:

Jo 17:3; 1Jo 2:3-6; Mt 23:27,28; 2Ts 2:9-12; 1Co 12:4-7

No começo do meu ministério estudei com uma família da zona rural do Tennessee. Certo dia, um homem entrou na sala fumando um charuto. Ele declarou que o Senhor o tinha curado de câncer de pulmão!

Muitas vezes tenho refletido sobre essa experiência. Esse homem acreditava sinceramente que o Espírito Santo o havia curado. No entanto, sua crença de que ele havia sido curado tornava isso uma realidade? Sinais e maravilhas são sempre uma evidência da obra do Espírito Santo? Podemos apoiar nossa fé somente em sinais e maravilhas? Que papel os sinais e prodígios podem ter em um falso reavivamento?

No contexto do reavivamento, precisamos perguntar: É possível que o diabo crie um falso movimento religioso e deixe a impressão de que ocorreu um genuíno reavivamento?

Nesta semana, estudaremos os indicadores espirituais do genuíno reavivamento e os contrastaremos com os claros sinais dos movimentos falsos. Saber a diferença entre os dois nos livrará dos enganos do inimigo.

 

Domingo

Ano Bíblico: Jr 27–29

A vontade de Deus e Sua Palavra

Toda verdadeira espiritualidade está focalizada em conhecer a Deus e cumprir Sua vontade (Jo 17:3; Hb 10:7). Qualquer suposto “reavivamento” que focalize a experiência, em lugar do compromisso de obedecer à Palavra de Deus erra completamente o alvo. O Espírito Santo nunca nos conduzirá numa direção diferente daquela indicada pela Palavra de Deus. O Espírito Santo nos guia à Palavra (2Tm 3:15, 16). A Palavra de Deus é o fundamento e o centro de todo verdadeiro reavivamento.

1. O que as seguintes passagens do Salmo 119 revelam sobre o reavivamento e a Palavra de Deus? Quais são as qualidades espirituais que a Palavra de Deus desenvolve em nossa vida? Sl 119:25, 28, 49, 50, 67, 81, 105, 116, 130, 154. Na prática, o que significam essas promessas?

Em Seu sermão sobre o Pão da vida, Jesus explicou a essência de todo reavivamento e o fundamento de toda a vida espiritual. Ele declarou: “O Espírito é o que vivifica; a carne para nada aproveita; as palavras que Eu vos tenho dito são espírito e são vida” (Jo 6:63). Essa declaração é extremamente significativa. O Espírito Santo, que é a fonte de todo reavivamento espiritual, fala através da Palavra de Deus, a fim de dar aos que a recebem pela fé, uma profunda vida espiritual. O reavivamento ocorre quando o Espírito Santo imprime as palavras de Jesus em nossa mente. Por isso o Salvador disse: “Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mt 4:4).

“Em muitos dos avivamentos ocorridos durante o último meio século, têm operado, em maior ou menor grau, as mesmas influências que se manifestarão em movimentos mais extensos no futuro. Há uma agitação emotiva, uma mistura do verdadeiro com o falso, muito apropriado para corromper. Contudo, ninguém necessita ser enganado. À luz da Palavra de Deus não é difícil determinar a natureza desses movimentos. Onde quer que os homens negligenciem o testemunho da Escritura Sagrada, desviando-se das verdades claras que servem para provar a alma e que exigem a renúncia de si mesmo e do mundo, podemos estar certos de que ali não é outorgada a bênção de Deus” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 464, 465).

A essência do verdadeiro reavivamento é descobrir a vontade de Deus manifesta em Sua Palavra. Jesus era cheio do Espírito Santo. Desde o Seu nascimento até Sua morte, Ele foi conduzido e fortalecido pelo Espírito Santo.

 

Segunda

Ano Bíblico: Jr 30–32

O amor de Deus e Sua lei

Reavivamento é conhecer Jesus. É um despertar das faculdades espirituais da alma. É uma experiência pessoal e vital com o Salvador. Conhecer Jesus como Amigo é a essência de todo reavivamento. Do íntimo de sua experiência com Jesus, o apóstolo Paulo declarou que estava orando para que os efésios conhecessem “o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que [fossem] tomados de toda a plenitude de Deus” (Ef 3:19).

Isso está em contraste com a história das virgens do fim dos tempos, das quais cinco tinham a forma exterior de piedade e religião, mas não possuíam experiência íntima com Jesus. Referindo-Se à sua grande necessidade, Jesus disse: “Em verdade vos digo que não vos conheço” (Mt 25:12).

Conhecer Deus sempre leva à obediência. A lei de Deus revela Seu amor. Um relacionamento mais profundo com Cristo leva a um maior desejo de agradar a Cristo. A obediência é fruto do amor. Quanto mais O amarmos, mais desejaremos obedecer a Ele. Devemos suspeitar de todo suposto reavivamento que não enfatize o arrependimento pelas deliberadas transgressões da lei. O fervor religioso pode levar a um êxtase religioso temporário, mas faltará a mudança espiritual duradoura.

2. Para o apóstolo João, quais são as evidências de que a pessoa realmente conhece Deus? 1Jo 2:3-6; 4:7, 8, 20, 21

Nesses textos João apresenta dois pontos cruciais. Primeiro, conhecer Deus nos leva a guardar Seus mandamentos. Em segundo lugar, amar Deus nos leva a amar os outros. A mensagem de João é clara. Espiritualidade genuína resulta em vida transformada. O centro do reavivamento não é um caloroso sentimento de proximidade com Jesus. É uma vida transformada, cheia da alegria de servir a Jesus. O grande objetivo de Deus em todos os reavivamentos é nos atrair para perto dEle e aprofundar nossa entrega ao Seu propósito para nossa vida. Além disso, Ele quer nos capacitar para testemunhar e ministrar em favor de Sua causa.

Como estão seus relacionamentos? O que esses relacionamentos dizem sobre sua caminhada com o Senhor? De que forma você precisa melhorar em seu relacionamento com Deus e com os outros?

 

Terça

Ano Bíblico: Jr 33–35

Formalismo, fanatismo e fé

Um dos desafios do verdadeiro reavivamento é romper a superfície gelada do formalismo e, ao mesmo tempo, evitar as chamas ardentes do fanatismo. O formalismo fica rigidamente fechado no status quo [estado atual das coisas], satisfeito com a “casca” da religião enquanto nega a realidade viva da fé. O fanatismo tende a ir aos extremos e se concentra nos aspectos secundários da religião. Ele tende a ser desequilibrado, focalizando um aspecto da fé e negligenciando todos os outros. O fanatismo é muitas vezes hipócrita e preconceituoso. O apóstolo Paulo desejava que a igreja cristã “não mais [fosse] como meninos, [agitada] de um lado para outro e [levada] ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro” (Ef 4:14).

3. O que aprendemos sobre o formalismo na condenação de Jesus aos fariseus?

Mt 23:27, 28; Lc 11:39, 40; Mc 7:5-9

4. O que aprendemos sobre os que pensam que os sinais e maravilhas provam que eles são fiéis seguidores de Jesus? Mt 7:21-23

A questão mais profunda nessas experiências é o compromisso do coração. Sinais e maravilhas jamais podem tomar o lugar da autêntica fé bíblica. Eles não são um substituto para a submissão à vontade e à Palavra de Deus. A essência do verdadeiro reavivamento é uma fé tão profunda que nos leve a uma vida obediente, comprometida com a vontade de Deus. Um reavivamento fundamentado na Bíblia ecoa as palavras de João: “Todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1 Jo 5:4).

“Que tipo de fé é a que vence o mundo? É a fé que faz de Cristo seu Salvador pessoal – a fé que, reconhecendo seu desamparo, sua total incapacidade para salvar a si mesma, se apossa do Ajudador que é poderoso para salvar, como sua única esperança” (Ellen G. White, Refletindo a Cristo, p. 21).

Qual é sua tendência: formalismo e tradição, ou experiência e emoção? Se você se inclina demais para um lado ou outro, como você pode encontrar o equilíbrio?

 

Quarta

Ano Bíblico: Jr 36–38

Ministério e milagres 

Geralmente os falsos reavivamentos colocam sua ênfase principal nos milagres. Os reavivamentos genuínos focalizam o ministério. Os falsos reavivamentos enfatizam os sinais e prodígios espetaculares; os reavivamentos genuínos reconhecem que o maior milagre é uma vida transformada.

Os milagres de cura realizados por Jesus testemunhavam o fato de que Ele era o Messias. Como nosso compassivo Redentor, o Salvador estava preocupado em aliviar o sofrimento humano. Mas Ele estava ainda mais preocupado com a salvação de todos que Ele tocava com Sua graça curadora. O objetivo do ministério redentor de Jesus era “buscar e salvar” a humanidade perdida (Lc 19:10). Falando aos líderes religiosos sobre o paralítico, Jesus declarou: “Para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a Terra autoridade para perdoar pecados — disse, então, ao paralítico: Levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa” (Mt 9:6). A resposta da multidão a esse milagre foi glorificar a Deus (Mt 9:8).

Milagres eram uma consequência do ministério redentor de Jesus, mas não foram o principal motivo pelo qual Ele veio à Terra.

5. Como as pessoas podem ser enganadas nos últimos dias? 2Ts 2:9-12; Mt 24:11-13, 24; Ap 19:20

As pessoas são enganadas por falsos milagres “porque não acolheram o amor da verdade” (2Ts 2:10). Quando o desejo de coisas espetaculares é muito mais importante do que o desejo de uma vida nova em Cristo, a mente se torna aberta para o engano. A parábola do rico e Lázaro termina com as palavras perspicazes de Jesus: “Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos” (Lc 16:31). Em outras palavras, sinais espetaculares e prodígios maravilhosos nunca podem tomar o lugar da compreensão e obediência à Palavra de Deus. A obediência a Deus é a base. Sinais e maravilhas, se acontecerem, serão sempre secundários.

Que tipo de milagres você experimentou em sua caminhada com o Senhor? O que você aprendeu com eles? Qual é a importância deles para sua fé?

 

Quinta

Ano Bíblico: Jr 39–41

Frutos e dons

6. Quais são as principais razões pelas quais Deus concede à igreja os dons do Espírito Santo? 1Co 12:4-7; Rm 12:4-8; Ef 4:11-16

Os dons do Espírito Santo podem ser divididos em duas grandes categorias: qualidades e vocações. Por exemplo, os dons de prestar ajuda, hospitalidade, exortação e o ensino são qualidades que Deus concede aos cristãos individualmente (Rm 12:6-8). Os dons dos apóstolos, profetas, evangelistas e pastores/professores são vocações dadas aos cristãos individualmente (Ef 4:11, 12). Ambas as categorias de dons têm um propósito similar. Foram comunicados pelo Espírito Santo para fortalecer a vida espiritual da igreja e prepará-la para a missão. Os dons espirituais não são fim em si mesmos. Foram dados por Deus para benefício de Sua igreja.

7. O que o apóstolo Paulo quis dizer com a expressão “[andar] no Espírito” em Gálatas 5:16? Quais são as consequências de andar no Espírito? Gl 5:22-25; Jo 15:1-7

Existe perigo em todo suposto reavivamento que tenha pouco interesse no fruto do Espírito, mas que esteja obcecado pela posse dos dons do Espírito. Se Deus concedesse os dons do Espírito em plenitude aos cristãos que não manifestassem o fruto do Espírito, a igreja se tornaria o centro de exibicionismo egoísta. Se Deus derramasse o poder do Céu enquanto as nossas linhas espirituais de transmissão estivessem esgotadas, os resultados seriam desastrosos. Cuidado com movimentos que se concentram nos dons e poder do Espírito Santo, e não na obediência à vontade de Deus e no caráter transformado que revela o fruto do Espírito!

O que você diria à pessoa que experimentou algo que ela julga ter sido manifestação sobrenatural de Deus? Como você pode ajudá-la a saber se realmente é legítimo ou não isso? Com base na realidade do grande conflito, quem ou o que pode estar por trás dos milagres?

 

Sexta

Ano Bíblico: Jr 20–23

Estudo adicional

“A promessa do Espírito não é apreciada devidamente. Seu cumprimento não é realizado como poderia. A ausência do Espírito é que torna tão impotente o ministério evangélico. Pode-se possuir cultura, talento, eloquência ou qualquer dote natural ou adquirido; mas sem a presença do Espírito de Deus nenhum coração será tocado, nem se ganhará pecador algum para Cristo. De outro lado, se estão ligados com Cristo, e se possuem os dons do Espírito, os mais pobres e ignorantes de Seus discípulos terão um poder que falará aos corações. No Universo, Deus fará deles condutos para a difusão das mais elevadas influências” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 328).

“As fervorosas palavras de súplica do apóstolo não ficaram sem fruto. O Espírito Santo atuou com forte poder, e muitos cujos pés se haviam desviado para caminhos estranhos, retornaram à sua primeira fé no evangelho. Daí em diante ficaram firmes na liberdade com que Cristo os havia libertado. Na vida deles foram revelados os frutos do Espírito: “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio” (Gl 5:22, 23). O nome de Deus fora glorificado e muitos foram acrescentados ao número dos crentes em toda aquela região” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 388).

Perguntas para reflexão

1. Pense no contraste entre o formalismo frio e o fanatismo desenfreado. Eles estão sempre em contraste? Será que a igreja pode ser ao mesmo tempo fanática e friamente formal? Como isso pode se manifestar? Por que esses extremos são prejudiciais ao reavivamento e à reforma? Como está sua igreja? Como você pode ajudá-la a encontrar o equilíbrio?

2. Quais são as evidências de que estão ocorrendo falsos reavivamentos no mundo? Como podemos saber que eles são falsos? Seria errado acreditar que Deus está operando um reavivamento entre os que, embora amem o Senhor, não conhecem o que conhecemos?

3. Você já conversou com alguém que experimentou um suposto milagre? Mesmo que duvidemos da autenticidade dessa experiência, como podemos aproveitar a amizade com essa pessoa para conduzi-la a uma verdade mais ampla?

Respostas sugestivas: 1. A Palavra de Deus traz reavivamento, salvação, luz, esperança, entendimento e força para superar as tristezas. Obediência à Palavra faz parte do reavivamento. 2. Obediência aos mandamentos de Deus e à Sua Palavra; amor entre os irmãos. 3. Formalismo é hipócrita: tem beleza exterior e impureza interior, justiça exterior e injustiça interior. A tradição dos homens é colocada acima dos mandamentos de Deus. É preciso limpar o exterior e o interior. 4. Jesus condenará a muitos que fazem sinais e maravilhas, mas não são infiéis à Sua lei. 5. Deixando de amar a verdade, acabam sendo enganadas pelos sinais e prodígios de Satanás e seus falsos profetas. 6. O bem de todos. Os dons devem ser usados no serviço. Somos membros uns dos outros. Todos precisam de todos. Aperfeiçoamento dos santos e edificação do corpo de Cristo. 7. Manifestar as qualidades do fruto do Espírito, que estão de acordo com a lei de Deus e em desacordo com as paixões e desejos da carne. O fruto é produzido pela comunhão com Cristo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s