Jean-Paul Sartre e Deus

Lendo o texto “O problema de Deus em Jean-Paul Sartre”, de Rogério A. Bettoni, a única pergunta que me vem à cabeça é a seguinte: O que levou, de fato, Sartre a rejeitar Deus? O próprio texto me dá a resposta: “Com sua família de cunho católico (a avó) e protestante (o avô), mas uma religiosidade aparente, Sartre frequentava a igreja, mas nada disso era realmente convicção. Por si só, e aos poucos, a simpatia por Deus perdeu seu efeito: ‘Eu tinha necessidade de Deus, Ele me foi dado, eu O recebi sem compreender o que procurava. Por não deitar raiz em meu coração, vegetou em mim algum tempo, depois morreu.’”

Todo o calhamaço filosófico de Sartre é produto de seu próprio contexto existencial, desprovido de significado e relevância religiosos. Por extensão, ele transfere a sua experiência para a realidade da vida de todos os homens. Tentar salvar o existencialismo da consequência natural e trágica implícita nele – o desespero e solidão humanos –, conferindo-lhes ares de autêntica “liberdade”, significa jogar uma corda para o alto e tentar se pendurar nela.

Acho que Nietzsche foi muito mais honesto em suas contraditórias motivações ateístas, quando se expressou: “O ateísmo não representa para mim uma conclusão lógica, nem um mero acontecimento, é simplesmente um produto do instinto.” Por que Nietzsche pensou assim? Porque simplesmente, como bem expressou C. S. Lewis, “Deus é o grande Rival, o supremo objeto da inveja humana; aquela beleza, terrível como a Górgona, que pode a qualquer momento roubar de mim (ou que a meu ver é um roubo) o coração da esposa, marido ou filha”. Ou seja: Deus “rouba” de nós o nosso eu, as coisas que nossos desejos imputam como as mais caras, para nos tornar dependentes dEle. Daí o sentimento de castração da liberdade, acompanhado do desejo de independência de Deus. O que os ateus não sabem, por experiência, é que ganhamos ao ser “roubados” pelo Senhor. 

Sartre e os demais filósofos do ateísmo foram honestamente dedicados (embora uma dedicação trágica) em tentar expulsar Deus do cenário do pensamento humano. Empregaram toda a força do seu intelecto e vida para imprimir no mundo e na mente dos homens a noção de que Deus é ilusão. Vergonhosamente, a maioria de nós, cristãos, não demonstra tanto empenho para afirmar o contrário da filosofia sartreana. Os ateus parecem ser mais crentes na sua descrença do que nós em nosso cristianismo. Por causa da “falha da fé”, escondemos do mundo o tesouro de um Deus presente na imanência. Muitos cristãos adotaram o existencialismo sem o saber.

O ateísmo nada mais é do que uma rebelião contra a vontade e soberania divinas, ainda que se tente racionalizar esse fato com o verniz da intelectualidade. No entanto, como dizem que no Céu haverá surpresas, talvez algum ateu surpreenda os crentes com sua presença lá, pois no julgamento final Deus pode entender que muitos professaram o ateísmo porque não tinham como suportar a noção equivocada dEle em face da razão esclarecida. Não sei, não sei… Só sei que Deus sonda os corações…

(Frank de Souza Mangabeira, membro da Igreja Adventista do Bairro Siqueira Campos, Aracaju, SE; servidor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe. Texto escrito com exclusividade para o blog Criacionismo)

Fonte: Cracionismo

Anúncios

Sobre Silvio L. Marcelino

Cristão (Adventista do Sétimo Dia). Tecnólogo em Marketing, Licenciado em História - Atualmente atua como Professor de História.
Esse post foi publicado em Mensagem de Esperança. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s