Tatuador Escurece o “Branco” dos Olhos

Com 70% do corpo tatuado, Rodrigo Fernando dos Santos, conhecido em São Carlos (SP) como Musquito, resolveu inovar. Aos 39 anos, ele decidiu escurecer o branco dos olhos. A técnica, denominada “eyeball tattoo”, consiste em injetar tinta na camada de proteção dos olhos. O processo é irreversível. ‘Chorei tinta dois dias. Agora só mudando a cor para ficar branco de novo. Mas ainda assim acho que fica meio cinza’, diz o sãocarlanse, que há sete anos trabalha como tatuador na cidade. ‘Não me inspirei em ninguém, fiz pela arte e para ficar diferente.’ Para a Sociedade Brasileira de Oftalmologia, o procedimento invasivo é desaconselhável e pode causar inflamação interna, levando à perda da visão.

Musquito foi o 13º brasileiro a experimentar o “eyeball tattoo”, há três semanas. O procedimento difundido nos Estados Unidos foi realizado em Jundiaí (SP) pelo tatuador Rafael Leão Dias, de 31 anos, considerado o único apto a realizar esse tipo de trabalho no país. Segundo ele, a tinta usada para esse tipo de arte é importada e não é a mesma utilizada nas tatuagens convencionais. Há também uma agulha especial utilizada como se fosse uma seringa. Para colorir o olho, são necessárias três aplicações em cada um.

“Não há perfuração. A aplicação é feita entre a camada conjuntiva e a esclera, que protege o olho. Estudei a técnica durante dois anos e fiz a primeira aplicação em outubro de 2012. O procedimento não é proibido nem aqui nem fora do país. Não há risco nem dor devido ao uso de um colírio”, afirma Dias, tatuador há sete anos. Método perigoso – O especialista João Alberto Holanda de Freitas, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, afirma que o método é inteiramente nocivo e não adequado.“Isso pode dar alguma complicação, com uma uveíte (inflamação interna) e a pessoa perder a visão. A recomendação é não fazer. O consenso da oftalmologia brasileira é para que não se faça isso”, ressalta o médico. Apesar de saber dos riscos, o tatuador diz que estava 100% confiante de que tudo ia dar certo. “Cheguei lá e minha esposa disse: ‘Se você quiser amarelar, por mim tudo bem, não tem problema. Eu prefiro que você desista do que fique cego’. Mas resolvi correr o risco”, relata. Ele pagou R$ 1 mil pelo procedimento, que durou duas horas. “O pós também foi tranquilo. Teve um pouquinho de irritação, como uma conjuntivite, mas não atrapalhou em nada. Os olhos ficaram lacrimejando e chorei tinta dois dias”, conta. Na volta para casa, Musquito sentiu o que a sua nova aparência causaria nas pessoas. O farol do carro queimou e a saída foi procurar um hotel para passar a noite, mas não deu certo. “A gente chegava à recepção, olhavam para a cara dele e diziam que hão tinha vaga, então a gente não conseguiu quarto’, conta a mulher, Letícia Dias de Carvalho, de 35 anos.

Leia restante da reportagem

Comentário: Cada pessoa tem a possibilidade de decidir o que deseja para sua vida e, também, que tipo de ensinamento pretende deixar para as gerações. Essa é a premissa básica da vida humana. Mas, sob o olhar bíblico, algumas atitudes mostram que o ser humano insiste em se afastar do plano original divino para se tornar “ousado” especialmente quando se trata de chamar a atenção por aparência.

É interessante que o povo antigo de Israel foi orientado, conforme registra Levítico 19:28, a não fazer marcas no corpo por causa dos mortos. O texto obviamente não menciona tatuagem ou a pintura do branco dos olhos, mas faz uma advertência ao povo para que não imite os povos que se marcavam para chamar a atenção dos seus deuses. É algo a ser seriamente objeto de reflexão.

Por outro lado, há um texto bem mais claro, onde é dito que “não sabeis que o nosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus?”. Se entendemos que Deus é o doador de nosso corpo (e isso inclui os olhos), então nossa responsabilidade aumenta em relação à maneira como utilizamos nosso corpo. Não deveria ser para nos promovermos, mas para honrarmos e glorificarmos o próprio Deus.

E, se tudo isso não bastasse, é um procedimento que coloca em risco a própria vida e dá um péssimo exemplo para os filhos. Será que vale a pena passar por esses efeitos colaterais em nome da pura vaidade?

O ser humano avança em uma progressiva degradação da sua capacidade de se aproximar do caráter de Deus.

Fonte: Realidade Em Foco

Anúncios

Sobre Silvio L. Marcelino

Cristão (Adventista do Sétimo Dia). Tecnólogo em Marketing, Licenciado em História - Atualmente atua como Professor de História.
Esse post foi publicado em Comportamento, Notícias, Saúde. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s