Fé no Clima: o ECOmenismo Ganha Força

À primeira vista, a diversidade de participantes faz até a gente pensar naquelas piadas clássicas (“um padre, um rabino e um pastor evangélico entram num boteco e…”), mas a conversa é séria. Nesta terça, dia 25 de agosto, um grupo variado e bastante representativo de lideranças religiosas do Brasil e do exterior vai se reunir no Rio de Janeiro para manifestar o apoio de suas denominações à luta contra as mudanças climáticas causadas pela ação humana. Estou falando do Encontro Internacional Fé no Clima, organizado pelo Iser (Instituto de Estudos da Religião), em parceria com o GIP (Gestão de Interesse Público). Como os leitores mais assíduos deste blog devem imaginar, a ação conjunta inter-religiosa se inspira no exemplo da encíclica Laudato Si, uma espécie de chamado às armas do papa Francisco para evitar os piores efeitos da mudança climática, e tem a intenção de influenciar os debates da Conferência do Clima da ONU em Paris, que acontece no fim deste ano.

Os 12 participantes devem falar tanto da visão que suas tradições religiosas possuem sobre a necessidade de respeitar o ambiente quanto das ações concretas que suas comunidades estão tomando em relação aos problemas ambientais. No fim das contas, deverão assinar um documento de consenso, a Declaração Fé no Clima, que será encaminhada ao governo federal.

Confira a lista de participantes: André Trigueiro (espírita e jornalista), Ariovaldo Ramos (pastor evangélico), Mãe Beata de Yemanjá (Iyalorixá do Ilê Omi Ojuarô), Dolores (Inkaruna) Ayay Chilón, professor de Quechua, da tradição Andina, Mãe Flávia Pinto (umbandista), Rv. Fletcher Harper (pastor episcopal norte americano), Pe. Josafá Carlos de Siqueira S.J (Igreja Católica), Kola Abimbola (Babalorixá Yorubá e acadêmico nigeriano), Léo Yawabane (tradição indígena Huni Kuin, do Acre), Lama Padma Samten (monje budista), Rabino Nilton Bonder (tradição judaica) e Timóteo Carriker (pastor presbiteriano).

Espero voltar a esse assunto em breve, até porque algumas das visões expressas pelo papa Francisco em sua encíclica ambiental chegam perto de ser revolucionárias. De qualquer modo, conseguir juntar tantas crenças juntas em favor de um objetivo no qual a ética e o conhecimento científico caminham lado a lado já merece comemoração.

(Reinaldo José Lopes, Folha de S. Paulo)

Nota: Você ainda duvida do poder de coesão que a bandeira ecológica tem e da crescente influência do papa como líder incontestável desse movimento que transpõe os limites religiosos e arranca suspiros de admiração até dos jornalistas? Cinco anos atrás, concedi entrevista ao jornalista Reinaldo (autor do texto acima), na qual expus minha opinião sobre o ECOmenismo (confira aqui [Michelson Borges]).

Fonte: Criacionismo

Nota 2: A COP-21 (Conferência do Clima de Paris) será um encontro que unirá os maiores lideres mundiais em torno de uma mesma causa. E sem duvidas é um dos braços que une a Besta e o Dragão descrito em Apocalipse 13. Entre os varios lideres estarão: Francisco (Papa e Jesuita), Barack Obama (Presidente EUA) e Al Gore (Nobel da Paz em 2007 – junto com o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas da ONU, “pelos seus esforços na construção e disseminação de maior conhecimento sobre as alterações climáticas induzidas pelo homem e por lançar as bases necessárias para inverter tais alterações”)

Publicado em Bíblia: Fonte da Verdade, Ciência e Religião, Ecumenismo, Verdades Para o Tempo do Fim | Deixe um comentário

COP 21- Conferência do Clima de Paris

climate conference unDepois de 23 anos de diplomacia infrutífera, que começaram com a Rio 92, e passando por encontros em KyotoBaliCopenhagen e Cancún, entre outros, a Conferência do Clima de de Paris, em dezembro deste ano, é a última chance de um acordo global com chances reais de evitar o caos climático.

Mas, para isso, todos os governos do planeta devem declarar seu compromisso voluntario de redução de CO2 a partir de 2020. O prazo acordado para isso seria hoje, 31 de março de 2015.

Mas muitos governos, incluindo Brasil, China e Russia, só para falar de alguns dos maiores poluidores, resolveram não cumprir o combinado. União Européia, Suíça, Noruega e até o México fizeram o que estava acordado. Os EUA prometem seu anúncio para hoje.

O próximo passo, nisso que está sendo chamado de “Caminho para Paris”, é um encontro técnico de cientistas e diplomatas do Painel do Clima da ONU em junho, na cidade de Bonn, na Alemanha.

E no mesmo mês de junho, para gerar um ambiente político favorável às negociações de Paris, acontece um encontro de cúpula da ONU, reunindo chefes de Estado, na sede das Nações Unidas, em Nova York.

O prazo final e irremovível para os países entregarem suas propostas de redução voluntária de emissão de CO2 é o dia 1 de outubro. Depois disso, cientistas do Painel do Clima da ONU vão contabilizar os cortes propostos por todos os países e fazer um monte de contas e simulações em avançados modelos de computador.

Essas reduções voluntárias de CO2 serão suficientes para evitar que a temperatura média global suba mais do que 2 graus Célsius até o final do século, evitando o cenário mais catastrófico?

Se a resposta for negativa, como é mais do que provável, caberá à Conferência de Paris negociar cortes adicionais de todos os países. Exatamente por isso, cada passo do chamado “Caminho para Paris”, a preparação para essa conferência, é tão importante. Cada tonelada a mais de CO2 voluntariamente cortada agora é um entrave a menos nas negociações que vão acontecer no final do ano.

Fonte: Brasil Post

Nota: COP 21 – A conferência climática que certamente abrira caminho para a promulgação do profético “decreto dominical”

Publicado em E Conhecereis A Verdade..., Ecumenismo, Fenômenos Naturais, Notícias, Perigos Das Mídias, Verdades Para o Tempo do Fim | Deixe um comentário

Tempo dos Gentios

O que significa a expressão “tempos dos gentios” encontrada no Novo Testamento? Antonio Ribeiro.

A expressão “até que os tempos dos gentios se completem” (Lc 21:24) é de difícil interpretação. Ela é usada apenas por Lucas no contexto do sermão profético de Jesus, que aparece também em Mateus 24 e Marcos 13. Ao se referir à destruição de Jerusalém, Lucas declarou que seus habitantes seriam mortos ao fio da espada, que os sobreviventes seriam espalhados como prisioneiros de guerra entre as nações e que a cidade seria destruída (e dominada) por povos pagãos até que o tempo deles se completasse.

A primeira parte da profecia se cumpriu de modo dramático no ano 70 d.C. Depois de um cerco de mais ou menos cinco meses (o segundo cerco), as tropas romanas sob o comando de Tito, filho do imperador Vespasiano, invadiram Jerusalém e destruíram tudo o que encontraram pela frente, inclusive o templo. Milhares de judeus foram mortos. Não foram poupadas nem mulheres e crianças. Quando os soldados já estavam fartos de tanta carnificina, outros milhares foram levados como cativos. Fontes históricas relatam que nem um único judeu foi deixado vivo na cidade (ver Lc 13:34, 35). Por muitos anos depois da destruição, os judeus não puderam sequer se aproximar das ruínas da cidade. Até hoje, parte de Jerusalém permanece nas mãos de gentios, pois os muçulmanos controlam o lado oriental da cidade.

Mas e quanto à parte final da profecia? O que significa a expressão “até que os tempos dos gentios se completem” e quando é que esse período de tempo termina? Muitos cristãos entendem que a profecia teria que ver com a restauração política de Israel em algum momento futuro. E não são poucos os que acham que o cumprimento se deu em 1967, quando as tropas israelenses tomaram Jerusalém dos árabes.

Outros adotam uma abordagem mais espiritual afirmando que a profecia se refere à conversão de Israel ao evangelho. A passagem de Romanos 11:25 e 26, que parece antecipar uma conversão em grande escala de judeus no futuro, é frequentemente citada em defesa dessa abordagem. O texto de Paulo, porém, não consiste numa profecia, mas apenas no seu supremo anelo com relação aos judeus (10:1; 11:14), por quem nutria profundo e verdadeiro amor (9:1-5; 10:1, 2).

No original grego de Romanos 11, o apóstolo se referiu cinco vezes à conversão dos judeus por meio do modo subjuntivo (v. 14 [2x], 27, 31, 32), que é utilizado para expressar desejos ou ações possíveis, não necessariamente ações reais, que demandariam o uso do modo indicativo. Isso concorda com o verso 23, no qual Paulo disse que Deus tem o poder de reenxertar os judeus na oliveira, e o fará, “se não permanecerem na incredulidade”.

É importante observar também que a profecia de Lucas não implica necessariamente uma eventual conversão ou restauração política de Israel. Em grego, nem sempre a preposição “até” (achri) sugere um retorno à situação anterior (ver 1Co 15:25; Ap 2:10, 25, 26). E o que vem em seguida a Lucas 21:24 na sequência do evangelho é a volta de Jesus propriamente dita (v. 25-28), não a reconquista de Jerusalém pelos judeus. A única Jerusalém que reaparece no final dos tempos é a Nova Jerusalém (Ap 21:9-27), não a velha, cuja glória e função no plano divino se foram para sempre.

“Os tempos dos gentios”, portanto, parecem cobrir o período que se estende desde a destruição de Jerusalém até a segunda vinda, com a possível implicação de que, ao fim do período, o juízo divino também recairia sobre as nações gentílicas. Não estaria isso implícito nos versículos seguintes (25, 26)? Um tema recorrente nos profetas do Antigo Testamento é que o juízo contra Israel (ou Jerusalém) seria seguido pelo juízo contra as próprias nações utilizadas por Deus para trazer o juízo sobre seu povo (Is 10; Jr 50-52; Jl 3; Ob 1).

Nada em Lucas 21:24, portanto, sugere restauração. Ao contrário, assim como Jerusalém foi alvo do juízo divino no ano 70 d.C., por intermédio dos gentios, também os gentios impenitentes serão um dia alvo dos juízos retributivos de Deus.

WILSON PAROSCHI, doutor em Teologia, com especialização em Novo Testamento, é professor no Unasp, campus Engenheiro Coelho (SP)

Publicado em Curiosidades, Evangelismo | Deixe um comentário

Cultura ou Escritura?

O grande teste da fé é se manter fiel à Bíblia quando ela contraria os valores do nosso tempo.

A declaração de Ellen White de que a Bíblia é “a voz de Deus nos falando […] como se pudéssemos ouvi-la literalmente” (Testemunhos para a Igreja, v. 6, p. 393) é, ao mesmo tempo, confortante e desafiadora.

Ela é facilmente aceita quando a Bíblia diz que “Deus é amor” (1Jo 4:8), que Jesus foi preparar “moradas” para nós (Jo 14:2) e que ele pode “nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1Jo 1:9).

No entanto, a mesma Bíblia também afirma que os israelitas foram instrumentos divinos para punição dos cananeus (Lv 26:7, 8), que o escravo Onésimo deveria voltar para seu senhor (Fm 12), que as mulheres devem ser “sujeitas” ao marido (Ef 5:22; 1Pe 3:1) e que os “efeminados” não herdarão “o reino de Deus” (1Co 6:10). Para muitos, nisso, a Bíblia entra em choque com os valores mais lógicos e atuais e deixa de parecer a voz de um Deus de amor.

Inclusão e igualdade são hoje ideais hegemônicos. É coerente e atual abrir espaço para as minorias marginalizadas. Defender os direitos femininos irrestritos é politicamente correto. Diante disso, certas declarações bíblicas têm causado constrangimento. As indagações surgem às dezenas:

Por que Deus manteria aliança com os israelitas se eles fizeram “pior” do que os cananeus que haviam contaminado a terra de Canaã (2Rs 21:9)? Não teria essa história sido narrada da perspectiva de Israel, retratando os cananeus como ímpios, quando na verdade os israelitas foram piores do que eles? Por que a escravidão foi tolerada ao longo de séculos sem nenhuma condenação direta? Por que a Bíblia, desde o princípio, não estabeleceu a igualdade entre homem e mulher, combatendo o machismo? Por que a marginalização não foi encarada corajosamente, da mesma forma que Jesus defendeu a mulher adúltera?

Lentes da cultura

Para muitos, a resposta é simples: a verdade bíblica, transmitida pelos autores inspirados, se acomoda às estruturas socioculturais do contexto em que foi escrita. Essa abordagem procura resolver os dilemas causados pelo relato bíblico quando este entra em choque com os valores e a visão de mundo do tempo atual. Para os defensores do ponto de vista da verdade aculturalizada, o relato bíblico da criação, por exemplo, incorpora as ideias mitológicas do tempo de Moisés e a descrição dos costumes sociais reproduz os valores do contexto em questão sem interferir neles. Portanto, essas pessoas defendem que, hoje, o ensino das origens deve substituir as ideias de Moisés pela visão dominante da ciência. Da mesma forma, uma abordagem atual da condição da mulher e dos excluídos deve incorporar o sentimento de igualdade e inclusão predominantes.

Além disso, a valorização da pluralidade na cultura pós-moderna tem fomentado leituras diversas da Escritura, possibilitando a cada grupo social uma teologia específica. Existe a teologia da libertação, que usa a Bíblia para dar voz aos pobres e oprimidos; a teologia feminista, que empreende a defesa da mulher; a teologia negra e a teologia homossexual, em defesa dos marginalizados. Todas essas abordagens partem da suspeita de que há sistemas de dominação na sociedade e que a tarefa da teologia é desmontar tais estruturas sociais e promover a emancipação das diversas classes oprimidas. Henry A. Vikler afirma que “a hermenêutica da suspeita reivindica a tarefa de desmascarar a visão de mundo em que o texto bíblico se apoia, a qual se suspeita ser o suporte dos poderosos em sua opressão sobre os fracos” (Hermeneutics: Principles and Process of Biblical Interpretation, p. 69).

Orientados por esse espírito desconstrucionista, os teólogos dissecam o texto bíblico como se fosse possível estabelecer quando os autores inspirados estão transmitindo uma verdade espiritual e quando estão apenas refletindo a visão de mundo e as ultrapassadas estruturas socioculturais de seu tempo. Decorre daí a centralidade do intérprete em detrimento da autoridade do texto sagrado.

Submissão à Palavra

Contrariamente a essa tendência de elevar o intérprete acima do autor inspirado e de considerar a Palavra de Deus como acomodada à cultura antiga, Cristo endossou “todas as Escrituras” (Lc 24:27), e Paulo declarou que “toda a Escritura é divinamente inspirada por Deus” (2Tm 3:16).

Em defesa da verdade bíblica, Ekkehardt Mueller afirma que “a Palavra de Deus não é cultural nem historicamente condicionada, mas cultural/historicamente constituída”. Apesar de ser transmitida por meio da linguagem humana, “ela transcende a cultura e nos alcança hoje”. Por isso, diz ele, “o que o texto bíblico significava em seu ambiente original é precisamente o que ele significa para nós hoje”, e toda a verdade bíblica precisa ser entendida a partir de “seu significado original” (Compreendendo as Escrituras, p. 113).

Quando os dilemas sociais são analisados no contexto bíblico, deve-se notar que a salvação é o objetivo primordial da revelação divina. Nessa perspectiva, Deus foi capaz de libertar o povo de Israel da escravidão egípcia, quando essa condição comprometia o plano da salvação, mas ele também foi capaz de entregar esse mesmo povo à escravidão novamente, sob as mãos do rei pagão Nabucodonosor, a quem ele chamou de “meu servo” (Jr 25:9). Libertar e escravizar do ponto de vista social são ações subordinadas ao plano da salvação, que é superior e essencial, ficando subentendido que a escravidão decorre do afastamento do plano salvífico de Deus.

Diante das expectativas dos discípulos acerca da restauração do reino de Israel e da libertação do jugo romano, Jesus foi claro em dizer que o reino de Deus estava dentro deles (Lc 17:20, 21). Esse reino espiritual, que liberta do poder do pecado, é a essência do reino da graça inaugurado por Jesus. Mais tarde, antes da descida do Espírito, ele disse que não competia aos discípulos saber o tempo para a implantação do reino da glória (At 1:6, 7), que incluiria libertação social e política de todo tipo de jugo. O objetivo da manifestação e da ação de Deus na história é a salvação de seus filhos.

É notório que Jesus não só frustrou as expectativas emancipatórias imediatas dos discípulos, mas disse que eles seriam perseguidos e maltratados por causa de seu nome (Lc 21:12). Ele deixou sugerido que Roma continuaria soberana e que perseguiria os próprios crentes. E não esboçou nenhum plano de quebrar esse poder, senão no reino da glória. O plano da salvação é prioritário, e essa questão deve ser levada em conta na leitura dos relatos bíblicos envolvendo questões sociais.

A despeito disso, porém, é preciso considerar que a submissão da mulher na Bíblia não é a mesma da cultura machista do mundo. A relação da igreja com Cristo é o modelo da submissão feminina e da autoridade masculina. O escravo na Bíblia também não é o mesmo escravo da história europeia-americana, pois não raro o escravo em Israel preferia ficar com seu senhor quando ele podia ser livre (Dt 15:13-16). Todos os pecadores, por mais socialmente excluídos que sejam, são salvos mediante o arrependimento e abandono do pecado possibilitados pela graça de Cristo.

Nas últimas décadas, os cristãos têm manifestado grande reverência para com as Escrituras. Nunca se leu tanto a Bíblia nem jamais foram vendidas tantas cópias do livro sagrado. No entanto, as Escrituras têm sido lidas mais como um compêndio de autoajuda do que como revelação da verdade divina.

O teólogo britânico John Barton considera que as hermenêuticas pós-modernas “permitem às pessoas atribuir o significado que elas desejam ver nos textos sagrados”. Essa abordagem oferece um modelo de exegese que proporciona às pessoas “bem-estar dentro de suas comunidades”. Segundo ele, na verdade, os crentes pós-modernos não desejam ser desafiados pelo significado do texto bíblico, a despeito do “lugar de honra” que dão à Bíblia (Cambridge Companion to Biblical Interpretation, p. 18).

Teste da fé

O grande teste da reverência para com a verdade bíblica não é quando a Bíblia afirma o que acreditamos, mas quando ela contraria nossas expectativas e convicções mais íntimas. A mesma voz que diz que Jesus pode perdoar nossos pecados também afirma que a igreja não é deste mundo nem deve se acomodar à cultura secular; em vez disso, precisa ser separada.

O teste da fé é quando a Bíblia diz uma coisa que a ciência, com seus métodos, tem demonstrado o contrário. É quando um autor inspirado faz uma afirmação que entra em choque direto com os valores do nosso tempo. Manter essa afirmação inspirada é não apenas uma questão de fé, mas de submissão.

Nisso, a própria Bíblia nos dá inúmeros exemplos. Jó pôde dizer: “ainda que ele me mate nele esperarei” (Jó 13:15). O pequeno Samuel disse: “Fala, Senhor, porque o teu servo ouve” (1Sm 3:9). A primeira característica da fé é a submissão à voz de Deus.

Vanderlei Dorneles é Doutor em Ciências pela Escola de Comunicação e Artes (USP) e redator-chefe associado na CPB

Publicado em Comportamento | Deixe um comentário

Como Hollywood está Desconstruindo a Religião da Bíblia

Na Antiguidade, à medida que se afastava do Éden, a humanidade se distanciava também de seu Criador. Mas, como foram feitas por Ele e para Ele (Cl 1:16), as pessoas tinham dentro de si um vazio, um senso de transcendência que precisava ser satisfeito. Os que continuaram servindo e adorando o Deus verdadeiro desfrutavam a vida que Ele idealizou, completos nEle. Mas e os outros, os que deram as costas ao Senhor ou simplesmente não O conheciam? Buscaram paliativos para o vazio do coração. E assim surgiram os deuses criados à imagem e semelhança dos homens. Aconteceu com os babilônios, os egípcios, os gregos, os astecas, e outros povos. Mas hoje é diferente. Vivemos em uma sociedade secularizada, iluminada, desdeificada. Será mesmo? O fato é que o desejo intrínseco de adorar (algo ou alguém) permanece entranhado na natureza humana. Alguns se idolatram. Outros idolatram o poder, as riquezas, o prazer. Outros, ainda, adoram ídolos humanos alçados ao estrelado pela mídia. Mas e quanto aos deuses? Será que se extinguiram de todo? Estariam mortos, mais ou menos como na descrição feita pelo filósofo Friedrich Nietzsche da religião de seu tempo? Não. Os deuses ainda estão por aqui. E dispõem de uma grande máquina de propaganda para arrebanhar novos fieis e pregar sua religião.

Hollywood e sua religião

A pregação dessa nova religião e desses novos deuses é feita de modo geral pela indústria cultural e, mais específica e eficazmente, por Hollywood, afinal, ela “praticamente monopolizou o mercado de cinema internacional”, conforme constatou Eric Hobsbawn, em seu livro Era dos Extremos.

Mas “Hollywood adotou a religião de maneira errada. Não é cristianismo, budismo, hinduísmo, judaísmo ou islamismo. É uma mistura de elementos daqui e dali: um pouco de reencarnação, uma pitada de espiritismo, um toque de ocultismo, uma insinuação de Bíblia, uma boa dose de misticismo oriental, uma grande porção de filosofia de autoajuda e sinta-se bem. Tudo isso é combinado em pacotes de filmes altamente emocionais e populares. E Hollywood está pregando a sua religião com mais energia do que muitas igrejas pregam a religião delas”, constatou Gary Krause, em artigo publicado na revistaSinais dos Tempos de setembro-outubro de 2003.

De fato, a doutrina hollywoodiana pode ser agrupada em três grandes áreas: espiritismo, secularismo e evolucionismo. É bastante fácil se lembrar de produções mais ou menos recentes que têm como pano de fundo uma ou mais dessas ideologias. No comecinho dos anos 1990, foi “Ghost, do outro lado da vida”, com seu espiritismo meloso e uma Demi Moore novinha que encantaram multidões. Depois disso vieram produções ainda mais espiritamente explícitas, a começar pelos títulos: “Ghost whisperer”, “Médium”, “Sobrenatural”, “Sexto sentido”, etc. Sem contar os voltados para crianças e adolescentes, como “Harry Potter” e “Crepúsculo”, exemplos de uma onda avassaladora que percorreu o mundo popularizando a bruxaria e o vampirismo.

Já o secularismo (grosso modo, a vida sem Deus) é promovido não apenas pelas produções, mas pelos próprios profissionais do meio. “Em 1998, uma pesquisa da Universidade do Texas com atores, roteiristas, produtores e executivos de Hollywood revelou que apenas 2% a 3% frequentavam cultos regulares em locais de culto, em contraste com os 41% entre o público geral. Em uma lista das ‘vinte pessoas mais influentes de Hollywood’, encontrei oito pessoas que expressavam claramente suas visões ateístas ou agnósticas, mas nenhuma que expressava opiniões cristãs claras” (Steve Turner, Engolidos Pela Cultura Pop, p. 218).

O ator Brad Pitt, criado em uma igreja batista do Sul, disse certa vez: “Quando me vi livre do conforto da religião, não foi para mim uma perda de fé, mas a descoberta do eu. Eu tinha fé de que era capaz de lidar com qualquer situação. Há paz em entender que tenho apenas uma vida, aqui e agora, e sou responsável por ela” (ibidem, p. 216). E ele não é o único a abandonar a fé para abraçar a carreira.

Detalhe: há mais norte-americanos frequentando a igreja do que a academia, mas os filmes os mostram mais em cozinhas, restaurantes e academias. Esse é claramente um reflexo do estilo de vida do pessoal de Hollywood. Parece até haver um pacto de não mostrar religião, a não ser quando for para reforçar certos estereótipos, como do crente obtuso e fundamentalista. Para ser justo, é bom registrar que padres e pastores até aparecem em filmes, mas, geralmente, apenas em casamentos e enterros.

Quanto ao evolucionismo, basta citar apenas um exemplo: os filmes dos X-Men. Superpoderosos, eles são considerados Homo superior, devido a mutações que os tornaram “melhores” que o Homo sapiens. Além desse pano de fundo darwinista, conforme destaca o pastor e líder de jovens Ericson Danese, “X-Men” é cheio de contextos escatológicos, como leis e decretos, cadastramento de mutantes, perseguição pelos “sentinelas” e títulos como “Complexo de messias”, “Dias de um futuro esquecido” e “A era do Apocalipse”. Seus personagens invertem conceitos bíblicos. Apocalipse (revelação de Jesus Cristo), nos X-Men, é o pior vilão que quer destruir e escravizar.

Um dos personagens mais populares do grupo é o Wolverine. Ele bebe, fuma, mata, bate em quem der vontade e se justifica dizendo que é seu temperamento. É impaciente, arrogante e violento, e seu último filme tem como título “Imortal”, contrariando a afirmação bíblica de que somente Deus tem a imortalidade (1Tm 6:16).

Cinema: o novo templo e seu estilo de vida

Não bastassem os conceitos antibíblicos difundidos pelas produções hollywoodianas (trataremos mais disso adiante), o ato de ir ao cinema encerra, em si mesmo, uma dinâmica que contribui para o afastamento da religião e para a satisfação do desejo inerente de relacionamento com o humano e o sagrado. Note alguns paralelos interessantes:

>> Antes de ir ao cinema, a pessoa se prepara. Coloca boas roupas. Há um verdadeiro ritual.

>> O ingresso, cuja compra contribui para a manutenção do local de exibição de filmes e para a própria indústria do cinema, poderia até mesmo ser comparado ao dízimo que os fieis devolvem a fim de manter as atividades de sua religião.

>> No cinema, assim como na igreja, ocorre uma reunião de pessoas diferentes num mesmo local. Cientistas descobriram que quando realizamos atividades sincronizadas, como recitar cânticos ou até mesmo caminhar lado a lado, acabamos nos sentindo mais conectados com as pessoas com quem estamos realizando essas atividades.

>> No cinema, entramos em contato com ideologias/doutrinas, geralmente de forma mais acrítica, devido a todo o aparato tecnológico que promove quase uma hipnose.

>> Existe manipulação das emoções.

>> Há uma satisfação do desejo de adoração (dos ídolos na tela).

Toda religião prega também um estilo de vida. Não é diferente com o cinema, afinal, como diz o título do livro de Richard Weaver, “as ideias têm consequências”. As ideias disseminadas pela maioria dos filmes de Hollywood levam ao desregramento, ao hedonismo, à intemperança e ao homossexualismo. E exemplos disso não faltam.

Segundo James Sargent, da Faculdade de Medicina de Dartmouth, nos Estados Unidos, a exposição a álcool no cinema foi responsável por 28% do início do consumo entre jovens e 20% da transição para o uso constante. Mais de 60% dos filmes de Hollywood exibem o produto de alguma forma. Atores e atrizes famosos volta e meia aparecem expelindo fumaça e glamourizando o tabagismo.

Além do cigarro e do álcool, o sexo sem compromisso e/ou deturpado também vem sendo glamourizado há um bom tempo nas telas. A responsável pela nova onda de perversão foi a escritora E. L. James, que lucrou 95 milhões de dólares entre junho de 2012 e junho de 2013 com seus livros da série Cinquenta Tons de Cinza. Somente nos EUA, foram vendidas 70 milhões de cópias em apenas oito meses. Para quem não leu e tem interesse numa história recheada de perversões e sadomasoquismo (espero que esse não seja você), vem aí o filme, cujo trailer foi assistido por milhões de pessoas na internet, batendo recordes.

Outros três filmes podem ser mencionados como exemplo dessa perversão cinematográfica: “Sexo sem compromisso”, “Ted” e “A filha do meu melhor amigo”. O título do primeiro é autoexplicativo. O segundo, o deputado Protógenes Queiroz ficou revoltado quando assistiu. Segundo ele, o filme “Ted” – que tem como ator principal um ursinho de pelúcia – passa a mensagem de que “quem consome drogas, não trabalha e não estuda é feliz”. Na semana seguinte ao protesto, “Ted” liderou as bilheterias brasileiras. Cigarro, álcool e alusões a sexo tomam conta da produção. No caso do terceiro filme, basta ler o subtítulo para ter uma ideia da barbaridade: “Sexo, traição e escândalo. Sinta-se em casa.”

Frequentemente, esse é o tipo de conteúdo (em doses homeopáticas ou cavalares) veiculado nas produções hollywoodianas. Quem assiste pode até inicialmente não concordar com os conceitos, mas o fato é que “uma mentira repetida mil vezes torna-se uma verdade”. Quem disse isso? Joseph Goebbels, ministro da propaganda de Hitler. E olha que eles convenceram quase toda uma nação a apoiar algo absurdo.

Ideias têm consequências – para um povo, para uma família, para a moralidade e/ou espiritualidade de alguém.

Super-heróis: os novos deuses

A nova onda de filmes de super-heróis, favorecida pelos modernos recursos de efeitos especiais, bebeu na fonte dos quadrinhos, e ali a exaltação dos novos deuses já vinha sendo feita há um bom tempo. Na verdade, alguns títulos de histórias em quadrinhos deixam evidente a mistura de conceitos bíblicos em suas tramas. Dois deles: “O Messias”, minissérie do Batman que fez muito sucesso no fim dos anos 1980, e “Kingdom come” (título que lembra o “venha o Teu reino”, da oração do Senhor), outra minissérie arrasa-quarteirão, ilustrada por Alex Ross (falarei dele mais adiante) e publicada em 1996 pela DC Comics. Essa série traz os principais personagens da DC em pinturas magistrais de Ross, que os trata como verdadeiros deuses.

Está ali o Capitão Marvel, cujo grito mágico – “Shazam” – é um acróstico que evoca Salomão, Hércules, Atlas, Zeus, Aquiles e Mercúrio, igualando o rei bíblico a personagens mitológicos. Tem também a amazona Mulher Maravilha. Criada em 1941 pelo psicólogo William Moulton Marston, ela é a embaixadora das amazonas da Ilha Paraíso (Themyscira), e foi enviada ao mundo humano para propagar a paz. Numa graphic novel dedicada a ela e intitulada “O espírito da verdade” (igualmente ilustrada por Ross), Diana reflete: “Heroína, semideusa, soldado, pacifista – eu sou todas essas coisas em parte, mas nenhum delas por inteiro.” O filme dela tem lançamento previsto para 2017.

E, claro, está ali também em “Kingdom come” o maior dos super-heróis: o Superman. Ele foi o primeiro super-herói dos quadrinhos e hoje é considerado um símbolo da cultura americana. O herói foi criado em 1938 pelos judeus Joe Shuster e Jerry Siegel, mas tem uma origem messiânica e inspiração claramente cristã. Numa graphic novel intitulada “Paz na Terra”, o personagem aparece como um verdadeiro messias, tentando acabar com a violência e a fome no mundo. Ele diz: “Pelo menos por hoje eles vão ver que alguém está olhando por eles. Alguém resolveu agir e, juntamente com a comida, trouxe esperança de dias melhores.” Numa das pinturas, em página dupla, o Superman voa com os braços abertos trazendo sobre si um vagão cheio de alimentos. Abaixo se vê o Rio de Janeiro e o Cristo Redentor, também de braços abertos, mas imóvel, impotente…

Esse aspecto messiânico do Superman fica ainda mais evidente quando se analisam alguns detalhes presentes tanto nas histórias em quadrinhos quanto nos filmes do personagem. Kal-El (já começa por El, que é um nome de Deus, em hebraico) é enviado à Terra pelos pais, adotado por um casal humano e inicia seu “ministério” por volta dos 30 anos. Mas tem mais: no filme “Man of Steel”, o pai de Kal-El diz à esposa: “Ele será um deus para eles.” E depois, numa projeção holográfica, diz ao filho: “Você pode salvar todos.” Em seguida, Superman abandona a nave em que estava e se lança no espaço, de braços abertos, tendo o planeta Terra ao fundo. Pensa que as “coincidências” terminam aqui? Nada.

Em 1992, numa grande jogada de marketing para vender gibis, a DC Comics mata o Superman, cujo corpo é amparado por Lois Lane numa cena claramente inspirada na Pietá, de Michelangelo. Mas é claro que Superman (que morreu para salvar o mundo de um poderoso inimigo chamado Apocalypse [!]) não permaneceria morto por muito tempo. No terceiro dia (sim, isso mesmo), ele ressuscita. Em 2006, vai para as telas num filme intitulado “Superman returns”. Realmente não é difícil perceber toda a religiosidade por trás de certos super-heróis. Aliás, o trio mais importante da DC – Superman, Mulher Maravilha e Batman – é chamado de Trindade!

Há também os super-heróis demoníacos. Spawn é um agente da CIA que morre, vai para o inferno, faz um acordo com o diabo e volta cheio de poderes para combater o crime (mais ou menos como o Motoqueiro Fantasma). Até o Homem-Aranha já se envolveu com o demônio. Com sua tia idosa baleada e à beira da morte, Peter Parker resolveu recorrer ao maligno em busca de cura. Após o pacto com Mefisto, toda a “realidade” foi modificada e fatos importantes da vida do Homem-Aranha foram completamente alterados. A tia do Aranha foi salva pelo demônio, mas o casamento de Peter com Mary Jane nunca aconteceu. O diabo é apresentado como tendo poder de mudar toda a realidade. Homem-Aranha também tem sido sucesso no cinema há mais de uma década.

“Watchmen” (2009) é outro filme que fez grande sucesso e é baseado numa graphic novel de Alan Moore e Dave Gibbons, publicada na década de 1980, sendo considerada um clássico dos quadrinhos adultos. A história se passa nos EUA  de 1985, durante a Guerra Fria. Mas o que chama a atenção, dentro do propósito deste artigo, é a declaração do diretor do filme, Zack Snyder: “Permanece a ideia do inimigo em comum das duas superpotências que estão na iminência de uma guerra nuclear que acabará com o planeta. E esse inimigo sendo Deus me pareceu uma ideia boa demais pra ignorar. ‘Deus nos traiu’, adoro isso.” Deus é o novo inimigo, os super-heróis são os salvadores da pátria.

E quando se fala em deuses e em amálgama de mitos com crenças, não se pode deixar fora o deus do trovão, Thor, que saiu da mitologia nórdica para as páginas dos quadrinhos da Marvel e de lá, também, para o cinema. Num anúncio do primeiro filme, podia ser lida a chamada: “A god is coming” (um deus está vindo). Mas o mais interessante é a trama: Loki, o deus traiçoeiro, adotado pelo pai dos deuses, Odin, usa de artimanhas e consegue fazer com que Thor, o filho legítimo de Odin, seja expulso do Céu, digo, de Asgard. O deus do trovão tem, então, que provar que é digno de voltar para a cidade dourada. Não parece uma paródia de mau gosto da história bíblica do grande conflito?

Note o que disse o ator Tom Hiddleston, que faz o papel de Loki: “Os filmes de super-heróis oferecem uma mitologia moderna compartilhada e destituída de religião, por meio da qual as verdades podem ser exploradas. Em nossa sociedade cada vez mais secular, com tantos deuses e crenças diferentes, os filmes de super-heróis apresentam um retrato único em que nossas esperanças, nossos sonhos e pesadelos apocalípticos compartilhados podem ser projetados” (os grifos são meus).

No livro Nossos Deuses São Super-Heróis, Christopher Knowles diz que, “quando vê fãs vestidos como seus heróis prediletos em convenções de histórias em quadrinhos, você está testemunhando o mesmo tipo de adoração que havia no antigo mundo pagão, onde os celebrantes se vestiam como o objeto de sua adoração e encenavam seus dramas em festivais e cerimônias” (p. 36).

Para quem ainda duvida da invasão dos super-heróis nas telas e da legião de fãs que eles estão arrebanhando, fique sabendo que já há lançamentos de filmes programados até 2020, numa média de até cinco por ano!

Filmes bíblicos antibíblicos

Além dos deuses de roupa colada e músculos proeminentes, que resolvem tudo na pancada, há também os filmes que se aventuram em temáticas (que deveriam ser) bíblicas. É o caso de “Noé” que, de tão antibíblico, alguns chamaram de “Não é”. Só para você ter uma ideia:

>> “Noé” tem sonhos e alucinações que o levam a construir a arca.

>> O nome de Deus não é pronunciado. É sempre apenas “o criador”.

>> Anjos caídos são criaturas de pedra que ajudam “Noé” a construir a arca.

>> Tubalcaim entra na arca e faz conchavo com Cão.

>> Apenas o primogênito, Sem, leva para a arca a mulher, uma órfã adotada pela  família.

>> Cão é um rapazinho e foge dos pais para arranjar uma namorada para entrar com ele na arca. “Noé”, que era contrário à ideia, acabou criando uma rebeldia no filho.

Mas isso tudo ainda não é o pior. No filme, o “espiritual” é bom e elevado: é lá onde mora o deus inefável; e o “material” é ruim e inferior: é aqui, onde os nossos espíritos estão presos em carne material. Resumindo: de bíblico o filme não tem nada. Ele é gnóstico. E segundo essa visão de mundo, “nada é absolutamente mau; nada é maldito para sempre, nem mesmo o arcanjo do mal ou, como ele é chamado às vezes, a fera venenosa. Chegará um tempo em que até ele recuperará o seu nome e a sua natureza angelical”, segundo Adolphe Franck, no livro The Kabbalah.

A serpente é que estava certa o tempo todo. Esse “deus”, “o criador” da matéria, um deus mau, a quem eles adoram, está retendo para si algo que a serpente poderia lhes proporcionar: nada menos que a própria divindade. Por que será que “Noé” traz enrolada no braço a pele de uma serpente? O diretor Darren Aronofsky foi genial: conseguiu levar multidões aos cinemas (incluindo, claro, muitos cristãos) achando que iriam ver um épico bíblico, quando, na verdade, estavam tendo contado com ideologia gnóstica.

Falando em épico bíblico, o que dizer do recém-lançado “Êxodo – deuses e reis”? Apenas uma informação, para não nos estendermos mais aqui: no filme do ateu Ridley Scott, as águas que os hebreus atravessaram recuam devido a um tsunami previsto por “Moisés”! E Scott considera essa versão mais “realista” que a bíblica!

O que dizer de “Deixados para trás”, que ganhou um remake estrelado por Nicolas Cage? Não existe evidência bíblica alguma para a ideia da volta de Jesus invisível, nem para o arrebatamento secreto. Mas quantos dos que assistiram ao filme (ou leram os livros nos quais ele é baseado) sabem disso?

Cage parece gostar desse tipo de filme. Em 2009, foi lançado “Presságio”, também estrelado por ele. Note as curiosidades:

>> No filme, crianças começam a ouvir “línguas estranhas” e passam a agir como “profetas”, prenunciando tragédias em número crescente.

>> O pai de uma dessas crianças, cético e cientista do MIT, descobre uma profecia numérica cifrada e escrita 50 anos antes por outra criança. Quando a decifra, ele começa a crer em tudo, como uma espécie de novo convertido.

>> O personagem de Cage descobre que uma tempestade solar incinerará a Terra e procura salvar o filho.

>> Finalmente, descobre-se que os homens misteriosos que estavam enviando as mensagens aos “profetas” e que davam pistas para salvar essas pessoas são, na verdade, extraterrestres.

>> No momento da ascensão para a nave claramente inspirada no mecanismo de rodas mencionado pelo profeta Ezequiel (Ez 1:15-18), os “anjos” extraterrestres até exibem asas de luz.

>> Os escolhidos – as pessoas que eram capazes de ouvir a “língua estranha” – são arrebatados em naves espaciais. Os demais são deixados para trás.

>> Enquanto bilhões de seres humanos são queimados pelas labaredas solares, uma parte da humanidade aterrissa num planeta idílico e corre com roupas brancas em direção a uma… árvore cintilante! (Ap 22:1, 2).

Para encerrar esta pequena lista, apenas mais um filme catástrofe: “2012”. Um dos objetivos deste parece ser mostrar que a religião é inútil. Senão, veja só:

>> O Cristo Redentor é destruído por um tsunami gigantesco.

>> A cúpula da Basílica de São Pedro, no Vaticano, cai sobre fieis que rezam com velas nas mãos.

>> Uma rachadura no teto da Capela Sistina separa as mãos de Deus e do homem na famosa pintura de Michelangelo.

>> Monges budistas morrem atingidos no alto das montanhas por uma megainundação.

E no fim das contas, uma parcela da humanidade (a parte rica, evidentemente) se salva em enormes embarcações (arcas) de metal. Ou seja, o ser humano é quem salva a si mesmo da destruição “final”.

A religião da Bíblia

Mas, afinal, qual é a religião que Hollywood tem pouco a pouco desconstruído na cabeça de tantas e tantas pessoas? Esta: “Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas” (Cl 3:2). A verdadeira religião do contato permanente com Deus. A religião que ajuda o ser humano a se “religar” ao Divino, ao Criador do Universo. A religião que nos faz ver que esta vida terrena não é tudo o que nos está reservado, e que viver não se resume a nascer, comer, crescer, procriar e morrer. Há muito mais do que isso!

A verdadeira religião nos aconselha a dedicar tempo a “tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, [e] excelente” (Fp 4:8). A desenvolver a “mente de Cristo” (1Co 2:16).

Mas é importante saber que “Satanás tem mil modos de desassossegar a mente. […] Quanto tempo precioso é mal gasto, e que poderia ser empregado em estudar o Modelo da verdadeira bondade” (Ellen G. White, Mensagens aos Jovens, p. 271). “O amor sincero à verdade e a cuidadosa obediência às instruções do Espírito de Profecia serão nossa única proteção contra os enganos do inimigo, os espíritos sedutores e as doutrinas de demônios” (Testemunhos Seletos, v. 2, p. 69). “As trevas do maligno envolvem os que negligenciam a oração. As sutis tentações do inimigo os incitam ao pecado; e tudo isso por não fazerem uso do privilégio da oração, que Deus lhes conferiu” (Caminho a Cristo, p. 94).

Lembra-se do desenhista Alex Ross, que ajudou a revolucionar as histórias em quadrinhos e contribuiu grandemente para essa nova onda de exaltação dos novos deuses super-heróis? É ele quem diz: “Na adolescência, você precisa ter ordem em seu mundo, e os super-heróis têm isso, um senso de ética que nunca muda. […] Eles tratam sucintamente com questões morais, de um modo que a religião não trata. Ou melhor, a religião trata, mas de modo muito mais complicado e geralmente confuso” (Chip Kidd e Geoff Spear, Mythology: The DC Comics Art of Alex Ross).

Ross é filho de um pastor protestante. Ao ler essa declaração dele, fiquei pensando no tipo de religião que lhe foi apresentado e no tipo de religião que tenho apresentado aos meus filhos. Se Ross chegou ao ponto de achar que os super-heróis tratam melhor do que a religião as questões relacionadas com moralidade, há algo de muito errado aí. Quem tem moldado a moralidade e a espiritualidade de nossas crianças e nossos adolescentes? Você está atento a isso?

Christopher Knowles faz um diagnóstico triste da situação nos Estados Unidos, que é também a de praticamente todo o mundo: “Nos EUA, a religião parece incapaz de proporcionar um mito viável de salvação nesses tempos de crise. Muitas das denominações tornaram-se pouco mais do que movimentos políticos mal disfarçados, interessados apenas em dinheiro e poder. Por outro lado, nossa cultura popular secular e exangue não tem mais espaço para o encantamento. Não é de surpreender, portanto, que filmes como Harry Potter, Guerra nas Estrelas e X-Men tenham aparecido para ocupar essa lacuna. Os super-heróis proporcionam uma fuga, mas de quê e para onde? Da mediocridade entorpecente da maior parte da vida moderna. […] O mesmo impulso movimenta a crescente popularidade do Halloween entre adultos. As pessoas querem entrar no mundo mítico e tornarem-se outra pessoa, tentando se esquecer de seus problemas cotidianos” (Nossos Deuses São Super-Heróis, p. 238).

Precisamos encantar nossos filhos com o verdadeiro cristianismo, mas, para isso, devemos, antes, vivê-lo no dia a dia. Eles precisam contemplar em nós o resultado da íntima comunhão com Deus; o poder transformador do evangelho. Precisamos apresentar a eles o Cristo vivo que enche a vida de sentido, de paz, de alegria. Assim nossas crianças jamais serão tentadas a se voltar para os deuses de mentira em busca de algo que está tão perto delas.

(Michelson Borges é jornalista, mestre em teologia e editor da revista Vida e Saúde)

Publicado em Ateísmo, Curiosidades, Verdades Para o Tempo do Fim | Deixe um comentário

Escolha Alimentos Orgânicos e Viva Mais

Lucianne_AlimentosOrganicosComo muita gente não tem espaço para plantar seu próprio alimento e mesmo assim quer ter uma alimentação orgânica, a dica seria “fazer feira”! Sim, feira de rua mesmo! Que normalmente tem nas quartas-feiras.

Agora que tá na moda a alimentação orgânica é bem mais fácil de encontrar pequenos produtores que vendem somente orgânico. Claro que é sempre bom fazer um mini questionário (Que produto foi usado? O que foi passado? Foi usado que adubo?), pois alguns produtores estão no caminho do 100% orgânico.

Se você não puder ir à feira, uma opção um pouquinho mais cara são os supermercados. Há uma seção na parte de hortifrúti que é especial para os orgânicos!

Mas nunca se esqueça de que orgânicos e hidropônicos são BEM diferentes! O orgânico é cultivado sem agrotóxicos, sendo somente utilizados produtos naturais e que não vão interferir no meio ambiente. Já os hidropônicos são aqueles plantados na água, com uma quantidade enorme de adubo diluído nessa solução, acarretando numa quantidade absurda de nitritos e nitratos no produto final, ou seja, um produto que não faz bem a saúde.

Os orgânicos, por não conterem agrotóxicos e adubos, são produtos que, visivelmente, são menos bonitos, porém muito mais saudável!

Como não há a aplicação de nenhum produto tóxico, ele pode ser consumido diretamente, ou seja, você não precisa deixá-lo de molho em uma solução de água com vinagre para eliminar qualquer coisa indesejada. As únicas coisas “indesejadas” são os insetos e a terra!!

Infelizmente aqui no Brasil ainda é caro comprar orgânicos, mas nada que uma boa conversa com o seu feirante de confiança para conseguir um pouquinho de desconto no final da compra!

Você conhece algum lugar ai na sua cidade que venda orgânicos em um preço acessível? Deixa aí nos comentários! Compartilhar esse tipo de informação é sempre bom!

Fonte: Tudo Para Vegetarianos

Publicado em Alimentação, Saúde | Deixe um comentário

A Importância da Alimentação na Vida do Cristão

A questão fundamental que um cristão precisa responder com sinceridade para si mesmo é: quero glorificar a Deus? Ou seja, quero agradar ao Senhor incondicionalmente?

Se a questão acima for respondida afirmativamente, então o assunto a seguir fará sentido, pois essencialmente comer ou não comer carne (e outros alimentos nocivos) vai muito além da saúde, visto que tudo o que fazemos, o que inclui comer, está associado a quem adoramos: se a nós mesmos ou a Deus.

Para aqueles que, fazendo uso do seu livre-arbítrio, escolhem glorificar a Deus, o assunto da alimentação, como qualquer outro, não será de pouca importância, pois deverá agradar ao Criador. Note que Deus se agrada do que verdadeiramente contribui para nossa felicidade, pois Ele é amor.

Assim sendo, não precisamos de argumentos humanos, científicos ou não, para decidir comer ou não comer carne, mas simplesmente saber o que Deus requer. E através da Sua Mensageira para o tempo do fim, E. G. White, Deus diz: “Verduras, frutas e cereais, devem constituir nosso regime. Nem um grama de carne deve entrar em nosso estômago. O comer carne não é natural. Devemos voltar ao desígnio original de Deus ao criar o homem. Manuscrito 115, 1903” (Conselhos Sobre o Regime Alimentar, p. 380).

Mesmo sendo desnecessárias explicações, vou elencar alguns aspectos sobre a ingestão de animais mortos nesta época, não para ficarmos convencidos de que ser vegetariano é bom, mas para demonstrar que Deus é amor e quer o melhor para Suas criaturas.

Antigamente não existiam doenças como vaca louca; gripe do frango; febre aftosa; gripe suína; frangos que crescem em 35 dias, quando em condições normais levaria sete a oito meses; bois que engordam artificialmente à base de hormônios; animais vegetarianos que são alimentados com restos de animais mortos; animais que tomam vacinas e tomam antibióticos; peixes contaminados com dejetos e metais pesados; carnes com conservantes e corantes nocivos à saúde; etc.; etc. Nem vou comentar sobre os embutidos e hamburgueres, que conseguem ser piores do que a carne.

Além disso, pesa também contra os que comem carne, os maus tratos aos animais.  Muitos métodos de criação, transporte e assassinato passaram dos limites da insanidade e crueldade por causa da ganância do homem.  Tal fato só existe porque há consumidores. Vamos continuar cegos e surdos a esse intenso sofrimento?

Como Deus vê o fim desde o princípio, Ele que é Pai, quis nos livrar das nefastas consequências de comer aquilo que nos faz mal. Não é assim que fazemos com nossos filhos? E nós, como pais, não desejamos que nossos filhos nos obedeçam, para o próprio bem deles? Então… vamos ser coerentes!

Fonte: Tudo Para Vegetarianos

Publicado em Alimentação, Saúde, Temperança | Deixe um comentário

Pr. Doug Batchelor – Contagem Regressiva Para O Decreto Dominical

Publicado em Série: O Conflito, Sinais do Fim, Vídeo, Verdades Para o Tempo do Fim | Deixe um comentário

2015 em Foco: ECOmenismo e o Decreto Dominical

Publicado em Ecumenismo, Vídeo, Verdades Para o Tempo do Fim | Deixe um comentário

Encíclica do Papa Serve de Estímulo para Obama

“Fala, papa, que eu te escuto!”

Em visita à Feira Internacional que acontece até outubro na Itália, a Expo 2015, a líder dos Democratas no Congresso dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, comentou o plano sobre o clima anunciado por Barack Obama: “Por anos a União Europeia ficou à frente de nós em respeito aos temas ambientais, mas acredito que o presidente Obama tenha entendido que o Clean Power Plan é uma possibilidade para recuperar a liderança americana sobre esse tema. Um tema sobre o qual a Encíclica do papa Francisco foi de grande estímulo.” Durante uma coletiva com a imprensa, Pelosi sublinhou a importância da mensagem papal pela defesa do ambiente, definindo o pontífice como um “recurso”, porque é capaz de influenciar a opinião pública internacional. Se alguém pode ignorar as políticas de Barack Obama, enfatizou ela, “não pode ignorar a mensagem do papa. Como São Francisco, o primeiro grande ambientalista da história, o papa percebeu a conexão entre pessoas, ambiente, agricultura e energia”, enalteceu a líder dos Democratas, na manhã desta segunda-feira (3).

“Devemos ser sensíveis aos temas da fome e das mudanças climáticas, e encontrar soluções que respondam a ambas as urgências”, acrescentou ela, dizendo-se “muito confiante” sobre a aprovação do plano. O Clean Power Plan foi anunciado neste domingo (2) por Obama, por meio de um vídeo.

Segundo o site da Casa Branca, o Plano de Energia Limpa da América é um dos maiores e mais importantes passos para enfrentar a ameaça das mudanças climáticas. A proposta define, pela primeira vez, os padrões de poluição para as usinas de energia, através de normas para reduzir as emissões de carbono do setor elétrico em 32% até 2030. A regulação dará início a uma transformação abrangente do setor, encorajando uma agressiva mudança rumo a mais energias renováveis e afastando a geração via carvão.

(News.va)

Nota: Barack Obama e o papa Francisco estão de mãos dadas como manda a profecia! É bom lembrar que uma das propostas do papa para a diminuição das emissões de carbono na atmosfera consiste no respeito ao domingo como dia de descanso, a fim de que as pessoas fiquem com suas famílias, em contato com a natureza e em oração (se forem religiosas). O Parlamento Europeu já aprovou a ideia do descanso dominical (confira). Obama quer reconquistar a liderança norte-americana em questões climáticas. Quer cenário mais favorável do que esse para a adoção de uma lei dominical por parte, também, dos EUA e com o apoio de todo mundo? É bom lembrar que a lei do “casamento” de pessoas do mesmo sexo foi aprovada “da noite para o dia”. O que parecia impensável naquela nação cristã agora já é fato. Quantas coisas mais você acha que são impensáveis?

Fonte: Criacionismo

Publicado em Ecumenismo, Mensagens Profeticas, Notícias, Série: O Conflito, Verdades Para o Tempo do Fim | Deixe um comentário