Espiritualidade Pós-Moderna

Entenda por que a fé perdeu o vigor e se tornou superficial, apesar de a religiosidade estar em alta.

Nunca o mundo foi tão religioso. Parece que, finalmente, a fé triunfou. Em cada esquina há um templo. E, ao zapear com o controle remoto pelos canais de televisão, é mais fácil encontrar um culto para assistir do que um filme ou uma partida de futebol. Apesar de tanto esforço, nos últimos séculos, para esvaziar a política da religião, os eleitores anseiam cada vez mais que seus representantes pautem suas agendas conforme os preceitos das igrejas.

Vá a uma livraria, mesmo uma livraria secular, e você encontrará muitas Bíblias! O livro mais perseguido e odiado da história não mais precisa ser repassado restritamente nas igrejas, discretamente: é comercializado no balcão principal de uma grande livraria, em todas as cores e tamanhos, onde crentes e descrentes o apalpam e compram, como fazem com os lançamentos de autoajuda ou os romances.

Se há uma geração os cultos eram celebrados em igrejas com algumas dezenas de assentos (bancos de tábua dura), hoje é comum grandes templos para milhares de pessoas (acomodadas em poltronas acolchoadas). Se as ofertas eram moedinhas atiradas na sacola, hoje os cheques (e às vezes o cartão de crédito e a transferência bancária) injetam recursos vultuosos para as igrejas. Os líderes religiosos são figuras carismáticas. Cantores e pregadores atraem multidões que lotam estádios de futebol, mesmo que o privilégio de os ouvir signifique comprar um ingresso. Isso sem falar nos milagreiros, aqueles que surpreendem enormes concentrações com paraplégicos que se erguem da cadeira de rodas e dores nas costas remidas por uma enfática ordem proferida do alto do palanque.

Mas, tudo isso significa que as pessoas estão mais próximas de Deus? Surpreendentemente, a resposta é não! As estrelas da fé levam uma vida frívola cercada de luxo e exposta nas colunas sociais. Os milagres não transformam vidas, não contemplam todas as necessidades do corpo e da alma e não reproduzem as manifestações do poder do Espírito Santo narradas no Novo Testamento. As ofertas são obtidas sob manipulação e dadas com o interesse de o ofertante barganhar Deus e receber em troca mais do que deu, sem qualquer espírito de abnegação ou desejo de fazer prosperar a causa do evangelho. Os políticos religiosos costumam ser tão incoerentes como costumam ser os velhos políticos que nunca vão à igreja. A Bíblia é artigo de decoração, e é mais fácil encontrar a capa da Bíblia combinando com o estilo da vestimenta do que reconhecer seu conteúdo combinando com o estilo de vida de quem costuma carregá-la.

Houve um tempo parecido com estes tempos pós-modernos. Muita religiosidade, mas rara consagração a Deus. O mundo orbitava em torno da fé, mas isso não significava que as pessoas fossem espirituais. A igreja controlava o governo, mas isso nem de longe era uma bênção. Em vez de a idade da fé ser conhecida como idade da luz, foi conhecida como idade das trevas ou a Idade Média. Incomodados com os abusos cometidos em nome da religião nessa época, os historiadores nomearam a era seguinte, marcada por uma incredulidade reacionária, de Idade Moderna, ou Era das Luzes. O modelo de pensamento racionalista e irreligioso da Idade Moderna é chamado de iluminismo.

Mas as verdadeiras luzes da época das luzes não foram os céticos filósofos iluministas. Não se tratam dos nomes estudados nas escolas e resumidos nas enciclopédias, com John Locke (1632-1704), Voltaire (1694-1778), Jean-Jacques Rosseau (1712-1778), Diderot (1713-1784), D’Alambert (1717-1783), Immanuel Kant (1724-1804), David Hume (1711-1775), Adam Smith (1723-1790), Charles Darwin (1809-1882) ou Karl Marx (1818-1883), entre outros. Esses homens sem Deus podem ser valorizados pelos seus ensinamentos, mas as grandes luzes dessa época incrédula foram pessoas que viveram uma religiosidade muito diferente da hipocrisia medieval e da euforia contemporânea com o sagrado.

Um desses homens foi Martinho Lutero (1483-1546), que está sendo redescoberto em 2017 por ocasião dos 500 anos de seu ato de fixar as 95 teses contra a venda de indulgências na porta da igreja do castelo de Wittemberg. Lutero é conhecido por abalar o mundo, mas poucos sabem quanto ele esteve firmado na leitura da Bíblia e na oração. Antes de protagonizar a Reforma Protestante, Lutero já era um entusiasmado leitor das Escrituras, e fazia frequentes palestras sobre a Bíblia. Alguns biógrafos chegam a supor, com boa evidência, que ele conhecia a Bíblia de cor. De fato, Lutero viveu para Deus e Sua Palavra. Conheceu bem as línguas originais, o grego e o hebraico, e delas traduziu toda a Bíblia. Estudava e divulgava a Bíblia, tendo escrito longos comentários de quase todas as suas passagens. E orava muito. Certa vez, ao escrever e meditar sobre o Salmo 23, passou três dias e três noites trancado em um quarto, a pão e água, absorto no Pastor do Salmo 23, até que a esposa chamou um serralheiro para abrir a fechadura. Por mais atarefado que estivesse, nunca orava menos que duas horas por dia.

João Wesley (1703-1791), o grande avivalista metodista do século 18, orava pelo menos duas horas por dia. Ele dizia não confiar no pregador que orasse menos que isso. Durante parte da vida, acostumou-se a jejuar dois dias por semana, e era comum participar de vigílias, além das classes de encontro para oração que marcaram o movimento iniciado por ele. George Whitefield (1714-1770), evangelista que conviveu com Wesley, dividia o dia em três períodos de oito horas cada. Oito para o descanso e as refeições, oito para trabalhar pela salvação dos perdidos e oitos horas por dia para estar com Deus. O resultado de tanta oração foi que Wesley e Whitefield levaram dezenas de milhares de pessoas a Cristo. Isso no mesmo século em que os mais sagazes filósofos do iluminismo tentavam decretar a morte do cristianismo.

No mesmo século 19 em que Darwin e Marx tentaram tirar, respectivamente, Deus da origem e do destino do ser humano, um homem abandonou os sofismas materialistas e naturalistas de seu tempo e se devotou a estudar a Bíblia. Guilherme Miller (1782-1849), ex-adepto das filosofias iluministas, após sua conversão dedicava até seis horas diárias para estar com Deus e estudar a Bíblia. O resultado foi que esse fazendeiro da Nova Inglaterra provocou o despertamento milenarista na América do Norte, que levou multidões a Cristo e antecipou as expectativas de Sua volta para antes do milênio, diferentemente do que ensinava a teologia da época, influenciada pelo racionalismo dos iluministas.

Na modernidade, quando a tendência era o declínio da espiritualidade, houve quem se dedicasse a Deus por meio da oração e do estudo da Bíblia. Essas pessoas inflamaram despertamentos e inspiraram reformas. Hoje, na chamada Era Pós-Moderna, as pessoas são religiosas, mas lhes falta o fervor dos grandes heróis de Deus do passado. A espiritualidade pós-moderna precisa deixar de lado o “fuzuê” e o “oba-oba” dos cultos pirotécnicos e se recolher na câmara de oração, como fizeram os grandes homens e mulheres do passado. A Bíblia tem que deixar de ser simplesmente o adereço da moda. Sua verdade precisa moldar o pensamento e as atitudes de quem professa segui-la.

FERNANDO DIAS é pastor e editor da Casa Publicadora Brasileira

Publicado em Comportamento, Falsas Doutrinas | Deixe um comentário

Inimigo de Todos

Uma vida equilibrada, com o uso harmonioso dos recursos naturais, é, sem dúvida, a melhor arma na luta contra o câncer.

Assim, a humanidade vive sob o risco iminente de um inimigo de todos, que não faz acepção de pessoas, não escolhe raça, credo ou classe social, nem se importa com as opiniões sobre política ou futebol: o câncer. Responsável direto pela morte de mais de 8 milhões de pessoas todos os anos, no mundo todo, o câncer segue como um dos maiores vilões da atualidade. Portanto, estudá-lo, compreendê-lo, preveni-lo, enfrentá-lo e vencê-lo é, sem dúvida, um desafio e uma prioridade.Vivemos em um mundo cada vez mais dividido pela religião, orientação sexual, alimentação, vestuário, política, futebol, muros, etc. Todos divergem em tudo. As pessoas estão perdendo a capacidade de parar, ouvir, refletir e respeitar a opinião alheia. Cada vez mais a intolerância se manifesta nas relações sociais, seja por meio do preconceito ou da violência manifesta em suas variadas formas. Contudo, em momentos de ameaça coletiva ou perigo iminente de morte, mesmo os inimigos se unem contra o mal comum. Os dissidentes se apoiam, as facções se reúnem, os polêmicos se calam. Pois quando o inimigo é mais forte e o risco é para todos, a questão é de sobrevivência.

Ao contrário do que muitos podem imaginar, o câncer não é uma única doença. Na verdade, a palavra “câncer” representa um conjunto de mais de 100 doenças diferentes. Porém, os vários subtipos têm em comum uma característica fundamental: a multiplicação descontrolada, caótica e agressiva de células. Esse processo resulta em um tumor maligno, que se desenvolve e cresce, invadindo os órgãos adjacentes, podendo lançar células para outros lugares do corpo, que vão formar novos tumores. Chamamos isso de metástase.

Portanto, os diferentes tipos de câncer correspondem aos variados tipos de células do corpo. A depender da função e da localização das células originais que formaram o tumor, a doença irá causar diferentes sinais e sintomas, com graus variados de agressividade e tempo de evolução. Também é importante lembrar que existem diversos fatores responsáveis pelas alterações celulares que levam ao desenvolvimento do câncer. As causas externas estão relacionadas ao meio em que a pessoa vive, incluindo seu trabalho, hábitos e estilo de vida, próprios de sua relação social e cultural. Por outro lado, as causas internas são, na maior parte dos casos, de origem genética, e estão ligadas aos aspectos de imunidade (defesa natural do organismo). Todos esses fatores podem interagir de várias formas, aumentando a possibilidade de transformações malignas nas células normais.

Entre todas as formas de câncer, cerca de 80% a 90% estão diretamente relacionados ao estilo de vida e à consequente exposição a fatores ambientais. Alcoolismo, tabagismo, alimentação inadequada (alimentos processados, ricos em gorduras animais, embutidos e defumados), poluição ambiental e agentes químicos (agrotóxicos, derivados do petróleo, amianto), precocidade e promiscuidade sexual, exposição solar em excesso ou o uso indiscriminado de exames radiológicos são exemplos de fatores externos que promovem alterações celulares que induzem a formação de tumores malignos.

Por isso, o Inca (Instituto Nacional do Câncer) recomenda:

“Uma alimentação rica em frutas, legumes, verduras, cereais integrais, feijões e outras leguminosas, e pobre em alimentos ultraprocessados, como aqueles prontos para consumo ou prontos para aquecer e bebidas açucaradas, podem prevenir de 3 a 4 milhões de casos novos de câncer a cada ano no mundo. Caso a população adotasse uma alimentação saudável e a prática regular de atividade física, mantendo o peso corporal adequado, aproximadamente um em cada três casos dos tipos de câncer mais comuns poderiam ser evitados. Ou seja, para cada 100 pessoas com câncer, 33 casos poderiam ser prevenidos.”

Como sabemos, essas recomendações básicas de saúde já foram prescritas por Deus por meio dos oito remédios naturais: água, ar puro, luz solar (exposição adequada), exercício físico, alimentação saudável, repouso, temperança (uso equilibrado) e confiança em Deus. Como fonte da vida, Ele deseja que vivamos plenamente (Jo 10:10).

Uma vida equilibrada, com o uso harmonioso dos recursos naturais, com atitudes, hábitos e estilo de vida que promovam a adequada relação entre mente, corpo e espírito, é, sem dúvida, a melhor arma contra o câncer e outras doenças que acometem a humanidade.

MARCELLO NIEK LEAL é médico, escritor e coach em medicina e estilo de vida

Publicado em Saúde | Deixe um comentário

Vegetarianismo em Debate

O levantamento mais recente do Ibope sobre o número de vegetarianos no Brasil, divulgado em 2012, mostrou que os adeptos da dieta sem carne já representavam cerca de 8% da população. Apesar da escassez de dados atualizados sobre o vegetarianismo no país, os especialistas acreditam que esse número tenha aumentado.

As motivações para a mudança de hábitos alimentares da população variam. Muitos adeptos do vegetarianismo buscam uma vida mais saudável, outros querem ser mais éticos com os animais e há ainda os que optam por tirar carnes da alimentação porque procuram um planeta mais sustentável. Também há aqueles que deixam de comer carne simplesmente pensando em perder peso.

Os benefícios desse tipo de mudança na alimentação, bem como os mitos sobre o vegetarianismo e os cuidados necessários para manter uma dieta balanceada foram alguns dos temas discutidos nesta quarta-feira (22) no programa JC Debate, veiculado pela TV Cultura. Um dos entrevistados foi o cardiologista Everton Padilha Gomes, que trabalha no Incor (Instituto do Coração).

O médico adventista teve a oportunidade de falar sobre o Estudo Advento, pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) que está avaliando a saúde de 1,4 mil adventistas.

Gomes observou que, embora os dados ainda estejam sendo analisados, os resultados preliminares confirmam a vantagem de ser vegetariano. “Vários marcadores que estão associados às doenças cardiovasculares foram mais favoráveis em pacientes vegetarianos. Isso é algo que chamou muito a atenção e que pode ajudar na saúde preventiva da população em geral”, destacou o coordenador do estudo pioneiro no Brasil.

Everton Padilha Gomes aproveitou para esclarecer que, ao contrário do que alguns imaginam, a dieta vegetariana pode ser praticada não somente por pessoas que tenham condições financeiras privilegiadas. Segundo ele, o próprio Estudo Advento confirma isso, já que 35% dos participantes vegetarianos e ovolactovegetarianos ganham menos de três salários mínimos. “Some-se a isso o fato de algumas dessas pessoas serem vegetarianas há mais de dez anos, o que reforça o fato de que o vegetarianismo é algo acessível para todas as classes”, sublinhou.

[Equipe RA, da Redação]

Publicado em Mensagem de Esperança | Deixe um comentário

Alemanha Leva a Sério o Descanso Dominical

É noite de sábado. As filas são longas, e as estantes dos supermercados já estão quase vazias. Todos correm para garantir que nada vai faltar em casa até segunda-feira. A cena quase apocalíptica é comum na véspera do “dia do silêncio” na Alemanha. O domingo aqui é sagrado e protegido por lei. Quase tudo fica fechado. Supermercados,shoppings e lojas abertos são raríssimas exceções. Por isso, é preciso se planejar. Se você esqueceu de comprar um ingrediente para o almoço de domingo, não tem chance. Vale o improviso ou correr para o restaurante. O domingo poderia ser o dia perfeito da semana para passar o aspirador, cortar a grama do jardim e fazer pequenos reparos em casa, como colocar um prego na parede. Mas, na Alemanha, é proibido. Quem desrespeita o silêncio do vizinho tem que pagar multa. Até jogar garrafas de vidro em contêineres espalhados pelas ruas não é permitido.

O Ruhetag (dia do descanso) é protegido pela lei do trabalho alemã. “Trabalhadores não devem exercer suas atividades aos domingos e feriados das 0h às 24h”, diz o texto. A regra não se aplica a veículos de comunicação, hospitais, espaço de lazer e teatros, que podem funcionar normalmente. Padarias e farmácias entram em esquema de plantão, num sistema de rodízio. Já a maioria dos restaurantes abre como nos outros dias da semana, e muitos oferecem brunch.

Em 2014, o Tribunal Administrativo Federal da Alemanha, em Leipzig, decidiu que bibliotecas, loterias e call centers não devem funcionar aos domingos, em resposta a uma ação movida por igrejas protestantes e o Verdi, sindicato de funcionários do setor de serviços, contra exceções aplicadas a certas categorias no estado de Hesse. O entendimento foi de que as pessoas podem fazer apostas ou pegar livros durante a semana, e que os trabalhadores desses locais precisam ter seu descanso respeitado.

Domingo, definitivamente, não é o dia para riscar tarefas da sua lista. Mas é ideal para acordar tarde, tomar um longo café da manhã e, se o tempo estiver bom, sair para andar pelo parque, passear na floresta e brincar com crianças ao ar livre.

É o dia para estar com a família e os amigos. Quem tem uma avó alemã, provavelmente será convidado para um Kaffee und Kuchen (bolo e café da tarde), seguido de um Spaziergang (passeio).

(DW)


Nota:
Note que foram os protestantes e os sindicatos que “brigaram” pelo descanso dominical na Alemanha. Os primeiros deveriam defender a Bíblia (o princípio protestante sola scriptura), que estabelece o sábado como dia de descanso. E o segundo será uma pedra no sapato dos que querem obedecer a Deus e à Sua Palavra. Quando o decreto dominical for assinado em um futuro próximo, muitos países o acatarão sem maiores dificuldades. Falando nisso, ontem os presidentes e líderes de 27 países da União Europeia (UE) foram até o Vaticano celebrar os 60 anos do Tratado de Roma. Quem discursou para eles e defendeu a união e o combate ao terrorismo? Sim, ele mesmo, o maior defensor do descanso dominical: o papa Francisco.

Fonte: Criacionismo

Publicado em Mensagens Profeticas, Série: O Conflito | Deixe um comentário

Música, Sexo e Drogas Têm Mesmo Efeito no Cérebro

O mesmo sistema químico-cerebral que proporciona as sensações de prazer geradas pelo sexo, as drogas e a comida é essencial para experimentar o prazer gerado pela música, segundo um estudo publicado naquarta-feira (8/02) na revista científica Nature. “Esta é a primeira prova de que os opioides próprios do cérebro estão diretamente envolvidos no prazer musical”, destaca Daniel Levitin, um dos autores do estudo, desenvolvido na Universidade McGill de Montreal, no Canadá. Trabalhos anteriores do especialista e sua equipe chegaram a produzir mapas das áreas do cérebro ativadas pela música, mas só havia sido possível levantar a suspeita de que o sistema opioide era responsável pelo prazer. Para a mais recente experiência, os cientistas bloquearam de maneira seletiva e temporária os opioides do cérebro com a naltrexona, remédio usado habitualmente em tratamentos para a dependência de drogas opiáceas e álcool. Em seguida, eles mediram as reações dos 17 participantes do estudo aos estímulos musicais e constataram que até mesmo as músicas favoritas deixavam de gerar sensações prazerosas. “As impressões que os participantes compartilharam conosco depois do experimento foram fascinantes”, diz Levitin.

Um deles disse que sabia que a canção que acabara de escutar era uma de suas preferidas, mas que não tinha sentido as mesmas sensações de audições anteriores. Outro comentou: “Soa bem, mas não me diz nada.”

Os pesquisadores consideram que os avanços no estudo da origem neuroquímica do prazer são fundamentais para a neurociência, já que muitas atividades prazerosas, como beber álcool e ter relações sexuais, podem causar dependência.

(G1 Notícias)

Nota 1: Fiquei pensando com meus botões… Assim como há alimentos indevidamente estimulantes e a pornografia, que também “sequestra” o cérebro (especialmente dos homens), é possível, igualmente, que haja músicas mais estimulantes/viciantes e que levem o cérebro a um estado emocional não compatível com o culto, por exemplo. Assim como há alimentos inadequados à saúde e sexo impróprio que prejudica o sexo que Deus abençoou (com a pessoa certa, no momento certo e no contexto adequado), pode ser que existam estilos musicais inadequados para quem quer ter uma mente pura e apreciadora das coisas simples. Pelo visto, assim como há “pimenta” que estraga alimentos, a sexualidade e a saúde física e mental, existem também músicas “apimentadas” que deveriam ser deixadas de lado, especialmente em um contexto de louvor e adoração, em que a racionalidade deve dominar sobre a emotividade. É algo para se pensar… [MB]

Nota 2: Segundo Ellen White, “Satanás sabe que órgãos excitar [hiperestimular] para animar, monopolizar e atrair a mente de modo que Cristo não seja desejado. Os anelos espirituais da alma […] ficam por esperar” (O Lar Adventista, p. 407). E mais: “Se trabalharmos para criar excitação do sentimento, teremos tudo quanto queremos, e mais do que possivelmente podemos saber como manejar. […] Importa não considerar nossa obra criar excitação. Unicamente o Espírito de Deus pode criar um entusiasmo são” (Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 16, 17).

Nota 3: O tema música e adoração frequentemente desperta polêmica em certas igrejas, mas não deveria ser assim. Vontades e preferências pessoais não deveriam estar em primeiro plano. Quando alguém lê um texto ou livro que escrevi e me faz críticas bem fundamentadas, fico grato a essa pessoa e encaro essas críticas como aprendizado e possibilidade de melhorar meu trabalho. Os músicos sacros deveriam agir da mesma forma. É claro que nem sempre é fácil admitir que uma obra de nossa autoria não está adequada. Mas quem disse que, pelo fato de nos especializarmos em certas áreas, seremos sempre os donos da verdade? Meus textos não podem ser melhores? A música que alguns escrevem e compõem também não pode ser melhor? Se fomos dotados por Deus de algum dom, temos o dever sagrado de estudar sobre o assunto e pedir que Ele nos dê discernimento claro a fim de usar esse dom da melhor maneira possível – para Ele, não para nós. No caso da música de adoração, o Ser adorado é quem deve manifestar Sua preferência. Sim, Ele respeita nossos gostos (se adequados) e aceita o que de melhor podemos oferecer, mas podemos e devemos sempre crescer em compreensão e conhecimento, a fim de que o nosso melhor se torne cada vez melhor; cada vez mais próximo do ideal de Deus. Um fenômeno mais ou menos recente e que tem causado preocupação é a chamada “gospelização” da música adventista. Talvez numa tentativa de agradar o gosto popular, alguns músicos estejam exagerando no quesito percussão, carregando demais suas músicas de ritmos fortes e, como visto na pesquisa acima, viciantes. Algo que também poderia ser melhorado são as letras. Algumas músicas (muito bonitas, até) têm se parecido com mantras repetidos à exaustão. A letra se resume a poucas linhas e o que fica de conteúdo teológico é mínimo. Imagine em um tempo de provação ou mesmo na época da perseguição prevista vasculharmos a memória em busca de hinos que nos sustentem a fé e só encontramos músicas com algumas frases de efeito… Precisamos de mais músicas com conteúdo teológico robusto e não meras repetições com melodias emocionais e ritmos estimulantes. E precisamos, também, orar pelos nossos músicos. Eles são tão importantes quanto os pregadores. O ministério deles é indispensável para alcançar a mente e o coração das pessoas. Precisamos apoiá-los, sustentá-los e orar por eles. Escrevo isto com muito carinho, pois eu mesmo fui e tenho sido muito beneficiado pelo ministério musical adventista. Certas músicas marcaram profundamente minha vida e serviram de motivação em momentos especiais. Deus nos ajude a todos, a fim de que, em amor e unidade, possamos sempre fazer o nosso melhor para Ele e para Sua igreja.

Publicado em Ciência e Religião, Comportamento, Enganos do Inimigo | Deixe um comentário

Pesquisador da Verdade

O consultor legislativo da Câmara dos Deputados que descobriu nos livros teológicos uma mensagem que hoje compartilha por meio da literatura.

Muitos dos livros que vêm sendo lidos ultimamente por Manoel Morais, consultor legislativo da Câmara dos Deputados, são obras de referência para pastores e teólogos. Graduado em Direito pela Universidade de Brasília (UnB), o cearense de 41 anos não detém títulos no campo da teologia, mas se considera um pesquisador das Escrituras.

Sua curiosidade pela área cresceu depois que começou a estudar a Bíblia com um professor universitário adventista e um policial civil que conheceu durante um curso de aperfeiçoamento profissional em São Paulo. Embora estivesse interessado em saber mais sobre o adventismo, sua intenção ao se aproximar deles não era de se ­tornar membro de outra denominação. “Ao contrário, eu queria convertê-los à minha fé, pois acreditava que possuía a ‘luz maior’”, conta.

Membro de uma igreja evangélica por mais de uma década, Manoel nutria certo preconceito em relação à Igreja Adventista por entender que a denominação estava equivocada principalmente no que diz respeito ao quarto mandamento. Sua interpretação até aquele momento era que o sábado havia sido abolido na cruz.

Além disso, Manoel questionava o papel profético de Ellen White. Na juventude, chegou a receber um exemplar do livro O Grande Conflito, mas o deixou de lado logo que viu o nome da autora. “Assim como muitos evangélicos, pensava que Ellen White tinha uma autoridade à parte da Bíblia, dizendo coisas com as quais as Escrituras não concordam. Mas, quando a verdade chega, as superstições se diluem”, afirma.

Pesquisador sincero das Escrituras, Manoel mudou de opinião à medida em que novas verdades lhe foram reveladas. De opositor das doutrinas adventistas, passou a defender princípios como a guarda do sábado. Certa vez, propôs a dois colegas da denominação que frequentava que fizessem um teste. Em resposta ao desafio, no sábado seguinte ele visitou a Igreja Central de Brasília e experimentou pela primeira vez como era descansar no sétimo dia.

Na ocasião, uma das pessoas com quem conversou foi José Carlos Moreira, supervisor da livraria da Casa Publicadora Brasileira em Brasília. Dali em diante, Manoel passou a frequentar não somente o templo adventista, mas também a filial da editora. Ali ele adquiriu livros como Questões Sobre Doutrina, Adventismo, Uma Nova Era Segundo as Profecias de Daniel, Respostas a Objeções, Pecado e Salvação e clássicos da escritora Ellen White como O Desejado de Todas as Nações e O Grande Conflito, para citar alguns dos que mais o influenciaram. Além disso, buscou entre os mais de mil títulos oferecidos na loja publicações com um teor mais acadêmico.

Impressionado com a riqueza teológica dos materiais, ele também decidiu presentear amigos com algumas dessas obras. Assim, mesmo antes de ser batizado no dia 28 de janeiro na Igreja Central de Brasília, Manoel Morais se tornou um grande distribuidor de literatura adventista. “Hoje ele é um dos clientes da livraria da CPB na capital nacional que mais compram livros com o objetivo de presentear pessoas”, informa o supervisor da filial. Sua preferência é por livros da pioneira adventista e outros que esclarecem dúvidas doutrinárias. “Montei, por exemplo, um kit contendo O Grande Conflito, O Desejado de Todas as Nações e a obra Crenças Populares. São excelentes livros para presentearmos amigos, familiares e colegas de trabalho”, realça.

Além de representar um perfil de leitor que está mais interessado em materiais com profundidade teológica e sólido embasamento bíblico, Manoel Morais é um exemplo de que a teologia não está ao alcance simplesmente dos teólogos. Ele aconselha outros a fazer o mesmo e ressalta que cavar fundo na Palavra de Deus não somente nos protege dos modismos e deturpações da verdade, mas também abre caminho para que outras pessoas sejam conduzidas a Cristo.

MÁRCIO TONETTI é editor associado da Revista Adventista

Publicado em Testemunho | Deixe um comentário

Nem Só De Pão

Edição de fevereiro da Revista Adventista explica o conceito bíblico do jejum.

No mês em que a igreja na América do Sul será incentivada a participar dos 10 Dias de Oração e 10 Horas de Jejum, programa que se estenderá do dia 9 a 18 de fevereiro, a Revista Adventista traz matéria de capa que explica o conceito bíblico do jejum.

Jejuar se tornou um modismo entre alguns segmentos da sociedade, conforme lembra o pastor Marcos De Benedicto, editor-chefe do periódico, no editorial. Segundo ele, as pessoas costumam ficar sem comer para perder peso, eliminar toxinas, baixar o colesterol, melhorar o sistema imunológico ou até mesmo para protestar. “Mas, comparado ao passado, o número dos que jejuam por motivo religioso ainda não é tão grande. Somente nos últimos anos o jejum começou a recuperar um pouco do prestígio que já teve”, observa.

No artigo de capa intitulado “Nem só de pão”, os autores Joseph Kidder, doutor em Ministério e professor da Universidade Andrews (EUA), e Kristy Hodson, que cursa mestrado em Divindade na mesma instituição, defendem que os benefícios do jejum, que vão além dos aspectos físicos e espirituais, precisam ser redescobertos e reivindicados pelos cristãos.

Kidder e Hodson também procuram desconstruir certas ideias equivocadas a respeito do assunto. Para eles, jejum não é coerção nem penitência. De acordo com os autores, não se trata de “uma espécie de fome espiritual que obriga o Senhor a fazer nossa vontade”. Porém, como eles lembram, há pessoas que jejuam como uma forma de punir o corpo por pecar ou para forçá-lo à submissão.

Além de explicar o conceito bíblico dessa prática imemorial, que tem uma longa e reverenciada tradição em muitas religiões, a edição traz dicas de como se preparar para o jejum, o que fazer durante esse período e por quanto tempo jejuar. [Equipe RA, da redação]

Publicado em Assim Diz o Senhor | Deixe um comentário

Ivanka Trump Testemunha Sobre o Sábado

Um testemunho sobre a beleza do sábado veio de uma fonte incomum: Ivanka Trump, a filha de 35 anos do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump. Ela se converteu ao Judaísmo sete anos atrás. “Nós guardamos o sábado”, ela disse. “De sexta-feira ate sábado, nós não fazemos nada além de passar tempo um com o outro.” […] Um dos benefícios da observância do sábado é expresso em algumas frases de Ivanka. […] Quando tinha 27 anos, Ivanka, que cresceu como presbiteriana, converteu-se ao judaísmo em um tribunal rabínico ortodoxo em Nova York. Ela assumiu a observância do Shabat, feriados e kashrut, e adotou o nome hebraico Yael. No inverno passado, Donald Trump disse: “Eu tenho uma filha judia. Isso não estava no plano, mas estou muito feliz por ter acontecido.” [Veja também o que Trump disse em 2013 sobre funcionários seus que guardam o sábado.]

Em 2009, ela se casou com o investidor imobiliário Jared Kushner, de uma família religiosa proeminente de Nova Jersey. O casamento completamente kosher foi grandioso, como convém em um ligamento entre duas lendárias famílias imobiliárias. […] O casamento foi tão generoso quanto glamouroso. Os convidados foram incentivados a contribuir para três organizações de caridade em vez de dar presentes para o casal. A própria Ivanka apoia filantropias judaicas.

Ivanka e o marido são ortodoxos observadores do sábado e de feriados judaicos. Seu pai se acostumou com o fato de que do anoitecer de sexta-feira até o anoitecer de sábado todas as semanas eles ficam inacessíveis por telefone, SMS ou e-mail. Ela se desvincula do mundo dos negócios e está fica por 25 horas, apesar de ser fundamental como vice-presidente executiva nas organizações Trump e ter sido uma importante ativista na campanha presidencial. Isso, além de sua própria joalheria e negócios de moda. Nos sábados, ela deixa de lado todos esses esforços – o Shabat é mais importante. […]

Em março de 2015, o jornalista da Vogue Jonathan van Meter entrevistou Ivanka. Ela explicou aos leitores, em sua maioria não judeus, o que a observância do Shabat significa para ela: “Eu sempre evitava ter conversas públicas, porque é uma coisa tão pessoal […]. Somos muito observadores, mais do que alguns, menos do que outros. Eu só sinto que é uma coisa tão íntima para nós […]. Foi uma decisão tão grande para mim. Eu sou muito moderna, mas também sou uma pessoa muito tradicional, e eu acho que é uma justaposição interessante em como eu fui criada também. Eu realmente acho que com o judaísmo cria-se um plano surpreendente para conectividade familiar.”

“Deixando de lado o aspecto religioso; vivemos em um mundo tão acelerado”, disse Jared.

Ivanka também disse: “É uma coisa incrível quando você está tão conectado, mas realmente para e se desliga. E para Arabella saber que ela tem a mim, indivisível, um dia por semana. Nós não fazemos nada exceto brincar um com o outro, sair um com o outro, ir em caminhadas juntos. Família pura!”

(The Jerusalém Post; tradução: Daniel Miranda)

Publicado em Curiosidades, História Contemporânea, Testemunho, Vídeo | Deixe um comentário

Triunfo de Trump em 9/11 equivale a novo 11/9

O espetáculo confuso que os Estados Unidos proporcionam ao mundo neste dia 9/11 produz efeitos tão devastadores quanto aqueles que se seguiram ao ataque de 11/9. Tomada pela radicalidade das mudanças que pode provocar no mundo, a eleição de Donald Trump é equiparável ao histórico ataque terrorista. A diferença é que, dessa vez, os americanos dispensaram o inimigo externo, produzindo um inusitado autoataque – uma espécie de trumpicídio. Se o triunfo de Trump ensina alguma coisa é que todas as premissas sobre as quais o establishment americano construiu os seus valores depois da Segunda Grande Guerra estão com o prazo de validade vencido. O isolamento que a opção por Trump representa é um convite do império para que as nações comecem a planejar um novo começo. Mais ou menos como Deus fez depois do Dilúvio.

O sucesso de Trump é um prêmio à mediocridade. Seu hipernacionalismo ressentido, com traços de xenofobia, racismo, isolacionismo e desprezo à liberdade de expressão são sinais de que o mundo pós-9/11 não será o mesmo. Quando escreverem o enredo da geração atual é do topete de Trump que falarão os historiadores, e não da popularidade de Barack Obama, representado na disputa pelo “mal menor” Hillary Clinton, um outro nome para desastre.

Resta agora saber o seguinte: O recomeço que se esconde sob o penteado exótico de Trump é um prenúncio do quê? Seja o que for, o mundo não será melhor do que já foi. Um presidente dos Estados Unidos que diz não acreditar no aquecimento global [pelos motivos errados] e que guindou à condição de prioridade a construção de um muro na fronteira com o México pode resultar em qualquer coisa, menos em coisa boa.

(Josias de Souza, UOL)

Nota: No texto acima, Josias faz uma breve análise política da eleição de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos. Hillary apoia o aborto, tem ideias nocivas à família e parece ser contra a religião. Seria também um desastre. Mas, do ponto de vista religioso e escatológico, o que esperar de um indivíduo sem experiência política, ultranacionalista e dado a atitudes impulsivas e politicamente incorretas? O tempo dirá. Temos quatro anos para ver no que vai dar.

Fonte: Criacionismo

Publicado em Comportamento, História Contemporânea, Notícias | Deixe um comentário

A Reforma Protestante e a União das Igrejas

Papa visita a Suécia para participar de ato ecumênico que celebra a reaproximação de católicos e protestantes

Viagem do papa Francisco para a Suécia a fim de participar do início das comemorações alusivas aos 500 anos da Reforma ganhou repercussão na imprensa internacional.

O dia 31 de outubro de 1517 foi uma data que mudou o mundo ocidental. Um frei alemão chamado Martinho Lutero fixou um cartaz à porta da igreja do castelo de Wittenberg. O anúncio estampava 95 teses contra a venda de indulgências (documento que assegurava o perdão de pecados), uma prática popular da Igreja Católica na época. A cristandade ocidental, até então praticamente monolítica, fragmentou-se. Surgiram centenas de denominações protestantes, cada uma com a pretensão de reformar a Igreja. Hoje, é virtualmente impossível determinar o número exato das seitas cristãs, estimado na casa das dezenas de milhares.

Há um ano de o ato histórico de Lutero completar os 500 anos, passos importantes estão sendo dados para a aproximação de católicos e protestantes. Nesta segunda-feira, o papa Francisco desembarcou em Malmo, na Suécia, país historicamente protestante, em um encontro com a liderança da Federação Luterana Mundial. “Essa viagem é importante porque é uma viagem eclesial, muito eclesial no campo do ecumenismo”, expressou o pontífice durante conversa com os jornalistas que acompanhavam o voo.

Em junho deste ano, a assinatura de um guia litúrgico intitulado “Do conflito à comunhão” revelou o desejo mútuo pelo fim das desavenças históricas e a consumação de uma unidade articulada em décadas de discussão sobre o ecumenismo.

Se bem que o ato ecumênico na Suécia simbolize a iminente conciliação entre luteranos e católicos, há sinais de uma aproximação crescente de outros grupos de protestantes, evangélicos e pentecostais com a Igreja Católica.

As causas que dividiram o cristianismo não estão sendo consideradas em sua reunificação. As motivações do rompimento dos protestantes com os católicos e das denominações protestantes entre si foram doutrinárias. A visível falha do movimento ecumênico consiste em elaborar a unidade cristã sem rever os pontos doutrinários que precipitaram o cisma. Enquanto a volátil e multiforme igreja protestante aceita cada vez mais o discurso conciliador do papa, a igreja romana permanece inabalável sobre os mesmos fundamentos milenares reafirmados na contrarreforma do século 16, as mesmas questões que, para os reformadores, eram inaceitáveis e razão incontestável para o rompimento com a Sé romana.

O grande questionamento protestante era a revisão dos dogmas da Igreja Católica Apostólica Romana à luz da Bíblia. Roma nunca reconsiderou suas posições. Portanto, o protesto de Lutero ainda permanece válido.

A unidade cristã pela qual Jesus orou jamais deve ser conquistada sacrificando a correta interpretação de Sua Palavra. O legítimo ecumenismo deveria acontecer com cada denominação cristã revendo seus concílios, catecismos, credos e suas confissões de fé, rejeitando os pontos em desacordo com as Sagradas Escrituras e acrescentando os preceitos bíblicos negligenciados por séculos.

Curiosamente, a prerrogativa de completar a Reforma Protestante foi assumida por uma denominação cristã surgida no despertamento milenarista do século 19, nos Estados Unidos. Os adventistas do sétimo dia entendem que a Reforma será concluída por meio de seu movimento.

Os adventistas sempre entenderam que sua missão é ecumênica. Diferentemente de outras denominações protestantes, os adventistas não se contentaram em estabelecer igrejas nacionais, ainda que federadas a alianças internacionais, como outros protestantes. A igreja adventista do sétimo dia é, por natureza, mundial, católica, no sentido do significado original da palavra. O nome foi primariamente aplicado à igreja cristã no sentido de que sua missão se estende a todo o planeta. Nesse sentido, a igreja adventista é autenticamente católica, uma vez que entende que sua missão evangélica se destina a alcançar “cada nação, tribo, língua e povo” (Ap 14:6).

No desenvolvimento de suas doutrinas, os adventistas foram mais radicais ainda que quaisquer dos reformadores. Passaram por alto concílios, pais da igreja, credos, catecismos e confissões de fé. Uma vez que entendem que sua missão inclui outros cristãos, católicos e protestantes, podemos entender que os adventistas têm uma proposta autenticamente ecumênica, de reunir os cristãos genuínos em uma unidade doutrinária elaborada conforme a doutrina bíblica purgada de toda tradição humana.

Há muitas divergências doutrinárias que dividem as igrejas cristãs. Posso enumerar algumas das principais crenças em disputa: o significado da ceia do Senhor; a doutrina da salvação e da eleição; a inspiração da Bíblia; a validade dos dons espirituais após o fim da era apostólica; o milênio. Um legítimo ecumenismo deve rever pontos como esses, conciliando os cristãos que se dividiram por causa desses temas em torno de posições genuinamente bíblicas sobre os mesmos.

Desde a Reforma, a presença de Cristo no pão e no vinho tem sido tema de divisões. De um lado, católicos argumentam que, de fato, Cristo se faz pão na missa, a transubstanciação. Luteranos e anglicanos preferem crer na consubstanciação, uma ideia que procura despir a idolatria da missa, sem uma modificação radical do rito. Os calvinistas e evangélicos reduzem a Santa Ceia a mero símbolo. Para alguns, a santa ceia é uma cerimônia exclusivista. Para outros, deve ser uma celebração aberta.

Os adventistas resgataram um rito da ceia do Senhor conforme o preceito bíblico, restaurando o lava-pés, e entendem que, se bem que Cristo não esteja no pão, está presente com os comungantes na celebração da Ceia. A doutrina do Santuário Celestial revela que o sacrifício de Cristo, consumado uma única vez na cruz, não precisa ser repetido por meio da missa. Cristo tem um ministério de intercessão e salvação no Céu, que continua a obra realizada na cruz. O santuário no Céu, no qual Cristo atua, e não a igreja, oficia a verdadeiramente válida intercessão em favor do pecador. Seguindo o exemplo de Jesus, os adventistas praticam a comunhão aberta.

Quanto à doutrina da eleição, os protestantes acham-se divididos entre calvinistas e arminianos. Os primeiros seguem a herança do reformador francês Calvino, que superenfatizou o papel de Deus na salvação, a ponto de dizer que Deus escolhe quem vai ser salvo e rejeita quem vai se perder. Os arminianos consideram a teologia calvinista uma aberração, e entendem que o ser humano seja dotado de livre-arbítrio, sendo responsável por sua própria salvação ou perdição.

Ecumenismo autêntico deve buscar a unidade cristã sem abrir mão de verdades bíblicas fundamentais

Os adventistas parecem ter encontrado o ponto de equilíbrio da doutrina da eleição, coisa que os teólogos protestantes procuram desde o século 17. Embora se incline mais para o lado arminiano, devido à sua ênfase na santificação, o adventista não consegue entender a salvação como possibilidade do livre-arbítrio humano, mas como obra soberana de Cristo. A escritora adventista Ellen G. White, afirmou: “Cristo é a fonte de cada impulso correto. Ele é o único que pode implantar no coração a inimizade contra o pecado” (Caminho a Cristo, p. 26).

O mundo cristão se divide a respeito do conceito que cada pessoa tem de como as Sagradas Escrituras foram produzidas e que autoridade ela tem sobre a Igreja. Há inerrantistas, para os quais cada palavra da Bíblia foi ditada por Deus, e os históricos-críticos, que atribuem uma redação humana à Bíblia, sendo esta, para eles, o produto de uma cultura. Alguns entendem a supremacia da Bíblia, e dizem ser ela a única revelação de Deus, enquanto outros valorizam também a tradição cristã. Os adventistas descobriram que a verdade está num delicado meio-termo. Aceitam a inspiração das Escrituras, mas creem que esta não se deu por ditado. Cada escritor da Bíblia pôde refletir nela seu talento humano, bem como suas limitações. Valorizam a supremacia das Escrituras, sem limitar o Espírito Santo, que continua a fornecer revelações adicionais e complementares por meio de profetas modernos, como Ellen G. White.

Quanto à validade dos carismas, os adventistas também estão em uma posição sugestiva de mediação entre carismáticos e cessacionistas. Os adventistas não podem ser classificados como pentecostais, mas, como eles, creem na vigência dos dons espirituais para todas as eras. Uma posição bíblica que, se acatada por todo o cristianismo, pode ser o equilíbrio entre esses dois grupos.

Finalmente, a interpretação dos eventos finais também tem sido um ponto histórico de discórdia no cristianismo. Há basicamente quatro grandes posições a respeito da ocasião da segunda vinda de Cristo. São elas, amilenarismo, a posição de que o milênio de Apocalipse 20 seja simbólico; o pós-milenarismo, doutrina de que a vinda de Cristo ocorra após o milênio; pré-milenarismo dispensacionalista, posição de que Cristo venha antes do milênio e antes da grande tribulação; pré-milenarismo histórico ou pós-tribulacionista, a doutrina de que Cristo venha antes do milênio e após a grande tribulação.

Os adventistas creem que Cristo virá antes do milênio e após a grande tribulação, e têm feito dessa mensagem sua principal pregação. Essa posição evita os extremos do futurismo e do preterismo proféticos, encontrando o equilíbrio bíblico em um cumprimento histórico dos sinais da segunda vinda de Jesus.

Dessa forma, o adventismo, que é conhecido por evitar associações ecumênicas com outros cristãos, têm sua proposta de um autêntico ecumenismo, concitando todos os cristãos a abandonar suas interpretações particulares e se unirem em torno da Palavra de Deus, cumprindo assim a oração de João 17, na qual Jesus intercedeu pela unidade cristã (“a fim de que todos sejam um”, v. 21), e na qual também disse: “E eles têm guardado a Tua Palavra” (v. 6).

FERNANDO DIAS é pastor e editor da Casa Publicadora Brasileira

Publicado em Ecumenismo | Deixe um comentário