Colunista da Folha de S. Paulo Explica o Princípio do Sábado

Os adventistas do sétimo dia são conhecidos como uma das poucas denominações cristãs no mundo a ensinar e a ressaltar a validade do sábado como dia de guarda. A argumentação adventista é baseada no próprio texto bíblico, em livros como Gênesis e Êxodo. E esse princípio foi destacado, na edição do dia 26 deste mês da Folha de S. Paulo, na coluna de Reinaldo José Lopes. O jornalista assina a coluna “Darwin e Deus” na qual se propõe escrever sobre teoria da evolução, ciência e religião. Nessa edição, ele respondeu a duas perguntas de leitores. Uma relacionada à [suposta] fundamentação bíblica para canonização dos chamados santos. E a outra que questiona se é correto a maioria dos cristãos ter escolhido o domingo, e não o sábado, como dia santo. Em sua resposta, Lopes afirma que “de fato, a versão bíblica dos Dez Mandamentos se refere ao sábado, o último dia da semana, e não ao primeiro (que não se chamava domingo porque essa palavra significa originalmente ‘dia do Senhor’ e Senhor nesse contexto quer dizer Jesus, não Deus Pai)”. Por outro lado, o colunista explica que “Jesus, segundo a crença cristã, teria ressuscitado no primeiro dia da semana. Isso fez com que, logo nos primeiros séculos do cristianismo, reuniões para rememorar a morte e a ressurreição de Jesus acontecessem no domingo”.

O jornalista afirma ainda, na resposta ao leitor, que “nem todos os cristãos seguem essa tradição – os adventistas, por exemplo, advogam que ainda se deve guardar o sábado”.

O pastor Herbert Boger, diretor da área de Mordomia Cristã da Igreja Adventista em oito países sul-americanos, comentou a matéria. A área dirigida por Boger contempla ações de motivação para que as pessoas compreendam a importância da guarda do sábado e vejam essa prática como uma evidência de fidelidade aos princípios deixados por Deus. Na avaliação dele, a menção foi importante porque, “como adventistas do sétimo dia, seguimos todos os princípios, valores e ensinamentos de Jesus Cristo registrados na Bíblia. O pastor lembra, ainda, que no próprio relato dos primeiros cristãos, depois da morte e ascensão de Jesus, o sábado é apresentado como um dia especial de adoração e descanso. “No livro dos Atos dos Apóstolos, por exemplo, existem mais de 80 referências ao sábado pós-morte de Jesus. Cremos que o sábado é eterno. Ele foi criado para o bem de todos que descansam nesse dia de renovação espiritual e antiestresse”, salienta.

(Felipe Lemos, ASN)

Se quiser saber mais sobre o sábado e sua vigência ao longo da História, assista ao vídeo abaixo.

Publicado em Bíblia: Fonte da Verdade, E Conhecereis A Verdade..., Nisto Cremos, Testemunho, Verdades Para o Tempo do Fim | Deixe um comentário

Abismo Pode Estar Escondido Sob o Gelo da Antártida

Um vasto e desconhecido sistema de cânions pode estar escondido embaixo das geleiras da Antártida. Sinais de sua presença foram encontrados nas formações da superfície do continente gelado, em uma região inexplorada chamada Terra da Princesa Elizabeth. Se confirmada, em uma pesquisa geofísica formal que está em andamento, a rede sinuosa de cânions teria cerca de mil quilômetros de comprimento e, em alguns trechos, até 1 km de profundidade. Essas dimensões fariam da formação algo maior que o famoso Grand Canyon, nos Estados Unidos.“Sabemos, com base em outras áreas da Antártida, que as formas que o gelo assume na superfície são obviamente dependentes do que existe abaixo dele. Isso porque o gelo flui a partir dessas formações”, explicou o pesquisador Stewart Jamieson, da Universidade de Durham, no Reino Unido. “Quando olhamos para a Terra da Princesa Elizabeth a partir de dados de satélite, há aparentemente algumas características na superfície gelada que, para nós, lembram muito a existência de um cânion”, continua o especialista. “Nós rastreamos formações rochosas do centro da Terra da Princesa Elizabeth até a costa, no sentido norte. Trata-se de um sistema bastante substancial”, afirmou ele à BBC.

Há ainda suspeitas de que a rede de cânions seja conectada a um lago subglacial, também desconhecido, que cobriria uma área de até 1,25 mil quilômetros quadrados. A interpretação inicial que aponta a existência do sistema de cânions é baseada em informações de radar, colhidas em dois locais. Esses radares conseguem ver através das camadas de gelo, chegando à camada de rochas abaixo delas. A suspeita é consistente, afirma o professor do Imperial College London (Reino Unido), um dos integrantes da equipe.

“Descobrir um novo abismo gigantesco, que supera o Grand Canyon, é uma perspectiva tentadora”, afirmou. “Geocientistas na Antártida estão fazendo experimentos para confirmar o que nós estamos vendo nos dados iniciais, e esperamos anunciar nossas descobertas em um encontro do ICECAP2 (grupo de colaboração internacional que explora a área centro-leste da Antártida) no fim de 2016.”

A maior parte da Antártida é alvo de pesquisas geofísicas que têm registrado a topografia do continente. Mas ainda há duas áreas muito desconhecidas: a Terra da Princesa Elizabeth, onde se encontraria o cânion, e a Recovery Basin (“Bacia de recuperação”, em tradução literal). Ambas ficam no leste da Antártida e são agora alvo de intenso estudo.

Equipes internacionais – compostas por cientistas de Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, China e outros países – estão usando aeronaves com sensores para sobrevoar centenas de quilômetros quadrados da superfície gelada. Quando o rastreamento estiver completo, os pesquisadores terão uma visão abrangente de como a paisagem da Antártida realmente é debaixo de todo o gelo. Esse conhecimento é fundamental para tentar entender como o continente gelado pode reagir em um mundo mais quente, por exemplo.

(G1 Notícias)

Nota: Com essa pesquisa, surgem novas evidências de que houve uma catástrofe hídrica que “rasgou” nosso planeta, deixando marcas profundas em sua superfície, incluindo aí a Antártida. Já não é fácil para os evolucionistas explicar a formação plano-paralela dos estratos geológicos no Grand Canyon, que sugerem superposição rápida de toneladas e toneladas de sedimentos; agora imagine explicar fenômeno semelhante (se for confirmado) debaixo do gelo polar…

Criacionismo

Publicado em Bíblia: Fonte da Verdade, Ciência e Religião | Deixe um comentário

O Tema da Contrafação no Livro de Apocalipse

Algumas notas da Bíblia de Estudo Andrews, lançada recentemente pela Casa Publicadora Brasileira, têm despertado certa inquietação nas redes sociais. Entre essas notas, estão as seguintes, relacionadas ao livro de Apocalipse:

“13:1-18 Esta passagem acrescenta detalhes ao cap. 12, sobretudo em relação à guerra do tempo do fim (de 12:17). Neste capítulo, o dragão reúne dois de seus aliados para o conflito final. Com o dragão, a besta do mar (uma aparente paródia de Cristo) e a besta da terra (uma aparente paródia do Espírito Santo) sugerem uma falsa trindade (16:13, 14) em conspiração para enganar o mundo (13:13, 14).”

“13:3 golpeada de morte. Literalmente, ‘ferida de morte’, uma alusão à cruz (v. 8).curada. Recuperação quase que milagrosa de uma ferida que tinha tudo para ser mortal.se maravilhou. O ressurgimento da besta no tempo do fim é uma surpresa.”

A equipe editorial da Casa Publicadora Brasileira divulgou uma esclarecedora declaração, provendo uma resposta plenamente satisfatória aos questionamentos levantados (leia aqui). Destacamos este trecho: “O que significa a besta do mar ser uma ‘paródia de Cristo’? Paródia, de acordo com o dicionário, é uma ‘imitação engraçada ou crítica de uma obra (literária, teatral, musical)’. Desse modo, a besta que emerge do mar tenta ser uma imitação grotesca de Cristo. Observa-se nela as seguintes características: a besta recebe autoridade do dragão (que simula o Pai), assim como Cristo recebeu autoridade do Pai (Mt 28:18); a besta tem um ministério de 42 meses (três anos e meio), assim como Cristo teve um ministério de três anos e meio; a besta declara ‘quem é semelhante à besta?’, num contraste direto ao significado do nome Miguel, ‘quem é como Deus’; a besta quer ter poder para perdoar pecados, assim como Cristo tem o poder de perdoar pecados. Em outras palavras, a obra da besta é uma contrafação diabólica do ministério de Cristo.”

Com o objetivo de aprofundar a compreensão do assunto e, assim, fortalecer a credibilidade da Bíblia de Estudo de Andrews, divulgamos um interessante material produzido pelo Dr. Ranko Stefanovic, um mais renomados especialistas em Apocalipse da Igreja Adventista do Sétimo Dia. O texto abaixo foi extraído de Revelation of Jesus Christ: Commentary on the Book of Revelation, uma obra de 686 páginas, que apresenta um estudo verso a verso do Apocalipse. Para adquirir esse livro, clique aqui.

Para compreendermos as principais questões teológicas presentes na segunda metade do Apocalipse, é crucial entender o tema da contrafação, que inclui pessoas, mensagens, marcas de identificação e cidades. O enfoque central dos onze primeiros capítulos do Apocalipse está nas três pessoas da Divindade, que são referidas no início do livro como “Aquele que é, que era e que há de vir” (Deus, o Pai), os “sete Espíritos” (ou o “séptuplo Espírito”, nota de rodapé da NVI – indicando a plenitude e universalidade da obra do Espírito Santo) e “Jesus Cristo” (Ap 1:4, 5). Eles também são mencionados juntos na entronização de Cristo, descrita em Apocalipse 4 e 5. As atividades realizadas pelas três pessoas da Divindade em favor da salvação humana estão presentes ao longo de todo o livro.

Apocalipse 12–22:5 focaliza a tentativa de Satanás de impedir os planos de Deus para o mundo e, assim, levar os habitantes da Terra para o seu lado. Ele “colocará em ação uma gigantesca contrafação do verdadeiro Deus” e de Suas atividades salvíficas.[1] Seus esforços para enganar os habitantes da Terra são descritos no livro de Apocalipse como antíteses de Deus e de Suas atividades: a trindade satânica (capítulos 12 e 13) atua como a antítese das três pessoas da Divindade (1:4, 5; capítulos 4 e 5); a marca da besta (13:15, 16), como a antítese do selo de Deus (7:1-3; 14:1); as três mensagens demoníacas (16:13, 14), como a antítese das três mensagens angélicas (14:6-12); e a mulher-cidade de Babilônia (capítulos 17 e 18), como uma antítese da Nova Jerusalém (capítulos 21 e 22). A seguir, vamos explorar em mais detalhes cada um desses temas.

Trindade contrafeita

Os capítulos 12 e 13 introduzem os principais atores que desempenharão seus papéis na segunda metade do Apocalipse: o dragão (Ap 12) e seus dois aliados – a besta do mar (Ap 13:1-10) e a besta da terra (Ap 13:11-17).[2] Juntos, eles formam uma trindade satânica, como uma antítese à Trindade divina. Ao longo do restante do livro, eles estão inseparavelmente associados nas atividades de enganar as pessoas, com o propósito de afastá-las de Deus e levá-las a se colocar no serviço de Satanás (cf. Ap 16:13, 14; 19:20; 20:10).

A primeira entidade dessa liga triúna é Satanás, que, em Apocalipse 12 e 13, é apresentado como a antítese de Deus, o Pai, buscando ser igual a Deus e conduzindo a guerra contra Ele. O dragão atua como o líder do grupo, concedendo autoridade a outros e dando-lhes ordens. Veja a tabela abaixo:

Dragão/Satanás Deus, o Pai
Está localizado no Céu (Ap 12:3, 7, 8). Seu lugar de habitação está no Céu (Ap 4 e 5).
Possui um trono (Ap 13:2; cf. 2:13). Possui um trono (Ap 4 e 5; 7:9-15; 19:4).
Dá poder, trono e autoridade à besta do mar (Ap 13:2, 4). Dá poder, trono e autoridade a Cristo (Mt 28:18; Ap 2:27; 3:21; 4 e 5).
É adorado (Ap 13:4). É adorado (Ap 4:10; 15:4).
É destruído para sempre (Ap 20:9, 10). Vive e reina para sempre (Ap 4:9; 5:13; 11:15).

Esse paralelismo indica a intenção do autor inspirado de mostrar que, na liga satânica, a besta do mar atua como uma antítese de Jesus Cristo, imitando Sua vida e ministério na Terra. A besta do mar age na plena autoridade e no poder do dragão, assim como Jesus age na autoridade do Pai (cf. Mt 28:18). Veja a tabela abaixo:

Besta do mar Jesus Cristo
Sai da água para iniciar sua atividade (Ap 13:1). Sai da água para iniciar Seu ministério (Lc 3:21-23).
Assemelha-se ao dragão (Ap 12:3; 13:1). “Quem Me vê a Mim vê o Pai” (Jo 14:9).
Possui dez diademas (Ap 13:1). Possui muitos diademas (Ap 19:12).
Possui dez chifres em suas cabeças (Ap 13:1). O Cordeiro possui sete chifres (Ap 5:6).
Recebe do dragão poder, trono e autoridade (Ap 13:2, 4). Recebe do Pai poder, trono e autoridade (Mt 28:18; Ap 2:27; 4–5).
Suas atividades duram 42 meses, ou três anos e meio (Ap 13:5). Seu ministério dura três anos e meio (indicado, por exemplo, pelo evangelho de João).
Recebe uma ferida mortal (Ap 13:3). Recebe uma ferida mortal (Ap 5:6).
Volta à vida (Ap 13:3). Ressuscita (Ap 1:18).
Recebe adoração depois que sua ferida mortal é curada (Ap 13:3, 4, 8). Recebe adoração depois de Sua ressurreição (Mt 28:17).
Recebe autoridade universal sobre a Terra depois da cura de sua ferida mortal (Ap 13:7). “Toda a autoridade Me foi dada no céu e na Terra” (Mt 28:18), após a ressureição.
“Quem é semelhante à besta?” (Ap 13:4). Um de Seus títulos é Miguel (Ap 12:7), que significa “Quem é semelhante a Deus?”
Público-alvo global (todas as nações, tribos, línguas e povos) (Ap 13:7; cf. 17:15). Público-alvo global (todas as nações, tribos, línguas e povos) (Ap 5:9; 10:11; 14:6).

A besta da terra se revela como uma contrafação da obra do Espírito Santo. Ela atua na plena autoridade da besta do mar (Ap 13:3), da mesma forma que o Espírito Santo representa Jesus Cristo ao agir em Sua plena autoridade (cf. Jo 14:26; 15:26; 16:13). Veja a tabela abaixo.

Besta da terra Espírito Santo
Chamada de “falso profeta”, por enganar as pessoas (Ap 16:13; 19:20; 20:10). Chamado de “o Espírito da verdade”, por guiar as pessoas à verdade da salvação (Jo 16:13; cf. Ap 22:17).
Semelhante a cordeiro (Ap 13:11). Semelhante a Cristo (Jo 14:26; 16:14).
Exerce toda a autoridade da besta do mar (Ap 13:12). Exerce toda a autoridade de Cristo (Jo 16:13, 14).
Direciona a adoração à besta do mar (Ap 13:12, 15). Direciona a adoração a Cristo (At 5:29-32).
Realiza grandes sinais (Ap 13:13; 19:20). Realiza grandes sinais (At 4:30, 31).
Faz descer fogo do céu (Ap 13:13). Vem em fogo no Pentecostes (At 2).
Concede vida/fôlego à imagem da besta (Ap 13:15). Concede vida/fôlego de vida (Rm 8:11).
Aplica a marca na mão ou na fronte (Ap 13:16). Aplica o selo na fronte (2Co 1:22; Ef 1:13; 4:30).

O livro de Apocalipse conclui com o triunfo final de Deus sobre a trindade satânica, que encontrará um fim definitivo no lago de fogo (Ap 19:20; 20:10).

Selo contrafeito

Antes da crise final, o povo de Deus é selado na fronte (Ap 7:1-3). Ao passo que os fiéis recebem o selo de Deus, seus adversários recebem uma marca simbólica na mão ou na fronte conhecida como “marca da besta” (13:16, 17). Essa marca funciona como a contrafação do selo de Deus, e sua aceitação indica uma antítese aos mandamentos de Deus (cf. 12:17; 14:12) – a obediência a Deus é substituída pela obediência à besta (13:4, 8, 12, 14, 15).[3] Da mesma forma que os seguidores de Cristo possuem o selo simbólico de Deus e são leais a Ele, os adoradores da besta possuem a marca simbólica de propriedade e lealdade a Satanás (13:16, 17; 14:9; 16:2; 19:20; 20:4).

Enquanto o selo de Deus consiste no nome de Deus e do Cordeiro na fronte (14:1; cf. 7:3), a marca da besta consiste no nome da besta na fronte ou na mão (13:17; tradução literal, presente na NVI). A fronte representa a mente, e a mão direita simboliza as ações. “Ambos os poderes rivais desejam guiar a mente e o comportamento das pessoas. Os seguidores do Cordeiro têm o nome de Deus na fronte, ao passo que os seguidores da besta têm a marca na fronte (indicando convicção e lealdade) ou apenas na mão (indicando obediência forçada sem consentimento mental).”[4] Visto que o selamento significa o processo de atuação do Espírito Santo no coração humano (cf. 2Co 1:21, 22; Ef 1:13, 14; 4:30), a intenção do autor inspirado é mostrar que a colocação da marca da besta é uma falsificação da obra do Espírito Santo.[5]

Mensagem contrafeita

Apocalipse 14:6-12 revela três anjos vindos da parte de Deus com uma tríplice mensagem do evangelho eterno rogando aos habitantes da Terra que se arrependam e adorem o Deus vivo, anunciando a falência da Babilônia espiritual e advertindo contra qualquer associação com ela. Apocalipse 16:13 e 14 retrata três contrapartidas demoníacas saindo da boca da trindade satânica, levando aos habitantes da Terra uma mensagem do falso evangelho. Eles convocam os não arrependidos a se unirem à trindade satânica contra Deus e Seu povo fiel para o grande dia do Deus todo-poderoso. Os três anjos demoníacos da sexta praga são a última tentativa de Satanás de simular a obra de Deus, porque surgem como a contrapartida dos três anjos de Apocalipse 14, e suas mensagens são descritas por João como a antítese das mensagens de advertência proclamadas pelos três anjos.[6]

Cidade contrafeita

Finalmente, Apocalipse 17 retrata o sistema religioso apóstata do tempo do fim, denominado Babilônia, como uma prostituta – uma sedutora mulher-cidade que domina os poderes seculares e políticos deste mundo. É especialmente interessante notar que, ao descrever a Nova Jerusalém, a noiva do Cordeiro (Ap 21:10–22:5), João basicamente repete a apresentação de Babilônia contida em Apocalipse 17 e 18. É importante notar os paralelos antitéticos entre as duas cidades na tabela abaixo:[7]

Babilônia Nova Jerusalém
Cenário das visões
“Veio um dos sete anjos “Então, veio um dos sete anjos
que têm as sete taças que têm as sete taças […]
e falou comigo, dizendo: e falou comigo, dizendo:
Vem, mostrar-te-ei […] Vem, mostrar-te-ei
a grande meretriz […], a noiva,
com quem se prostituíram os reis da terra” (17:1, 2). a esposa do Cordeiro” (21:9).
“Transportou-me o anjo, em espírito, “E me transportou, em espírito,
a um deserto até a uma grande e elevada montanha
e vi” (17:3)

“a grande cidade” (17:18),

e me mostrou

a santa cidade,

“Babilônia” (17:5), Jerusalém,
“sentada sobre muitas águas, […] que descia do céu,
numa besta escarlate” (17:1, 3). da parte de Deus” (21:10).
Descrição das duas mulheres/cidades
“Achava-se a mulher vestida “Tem a glória de Deus.
de púrpura e de escarlata, adornada O seu fulgor era semelhante
de ouro, de pedras preciosas

e de pérolas,

a uma pedra preciosíssima, como pedra de jaspe cristalina” (21:11).
tendo na mão um cálice de ouro transbordante de abominações e com as imundícias da sua prostituição” (17:4). “[Ela oferece] o rio da água da vida […],

claro como cristal” (22:1, 2, NVI).

“Morada de demônios, “Eis o tabernáculo de Deus com os homens” (21:3).
covil de toda espécie de espírito imundo “Nela, nunca jamais penetrará coisa alguma contaminada,
e esconderijo de todo gênero de ave imunda e detestável” (18:2). nem o que pratica abominação e mentira” (21:27).
“Aqueles […] cujos nomes não foram escritos “Somente os inscritos
no Livro da Vida desde a fundação do mundo, no Livro da Vida do Cordeiro
se admirarão” (17:8). [entrarão]” (21:27).
“As nações e os reis da Terra” (17:15, tradução literal) “As nações […], e os reis da terra
“oferecem à besta o poder e a autoridade que possuem” (17:13). lhe trazem a sua glória” (21:24).
Destino das duas cidades
“Feito está!” (16:17). “Tudo está feito” (21:6).
“E lembrou-se Deus da grande Babilônia para dar-lhe “Eu, a quem tem sede, darei de graça
o cálice do vinho do furor da fonte
da sua ira” (16:19). da água da vida” (21:6).
“Em um só dia, sobrevirão os seus flagelos: morte, pranto e fome; “E a morte já não existirá, […] nem pranto, nem dor” (21:4).
e será consumida no fogo” (18:8). “As nações andarão mediante a sua luz” (21:24).
“Jamais em ti brilhará luz de candeia” (18:23). “O Cordeiro é a sua lâmpada” (21:23).

“O Senhor Deus brilhará sobre eles” (22:5).

“Vestida de linho finíssimo, […] adornada de ouro, “Tem a glória de Deus. O seu fulgor era
e de pedras preciosas, e de pérolas” (18:16). semelhante a uma pedra preciosíssima, como pedra de jaspe cristalina” (21:11).
“Em uma só hora, ficou devastada tamanha riqueza!” (18:17). Sua riqueza e beleza são eternas (22:5).
“Sentada como rainha” (18:7). “Nela, estará o trono de Deus e do Cordeiro.
“E será consumida no fogo [com os seus habitantes]” (18:8). Os seus servos o servirão” (22:3).
 “Será arrojada Babilônia, a grande cidade, e nunca jamais será achada” (18:21). “O Senhor Deus brilhará sobre eles, e reinarão pelos séculos dos séculos” (22:5).

As semelhanças verbais e temáticas entre as descrições das duas mulheres-cidades dificilmente podem ser acidentais. Elas indicam que a Babilônia do tempo do fim, retratada como a mulher prostituta que domina o mundo, atua como a antítese profana da Nova Jerusalém, a noiva do Cordeiro. Babilônia representa as esperanças e os sonhos terrenos; a Jerusalém celestial representa o cumprimento de todos os sonhos, esperanças e anseios do povo de Deus desde o princípio. Beasley-Murray nota que “o Apocalipse como um todo pode ser caracterizado como Um Conto de Duas Cidades” (à semelhança do romance histórico de autoria de Charles Dickens).[8]

É especialmente interessante que ambas as descrições explicativas, sobre Babilônia e sobre a Nova Jerusalém, são dadas pelo mesmo anjo, “um dos sete anjos que têm as sete taças”. Esse fato torna o contraste entre as duas cidades ainda mais evidente. “É, por assim dizer, sobre as ruínas da orgulhosa, maligna e corrupta Babilônia que a Nova Jerusalém desce do Céu, pura e radiante com a glória de Deus.”[9] Assim, Apocalipse 17 e 18 prossegue com um dos temas centrais da seção escatológica do Apocalipse (capítulos 12–22) – a contrafação de Satanás das atividades salvíficas de Deus nos dias finais da história da Terra.

(Ranko Stefanovic, Ph.D., é professor de Novo Testamento na Universidade Andrews, EUA. Retirado de Revelation of Jesus Christ: Commentary on the Book of Revelation, 2a ed. [Berrien Springs, MI: Andrews University Press, 2009], p. 376-382. Traduzido do original em inglês por Matheus Cardoso.)

Referências:

  1. Jon Paulien, What the Bible Says about the End-Time (Hagerstown, MD: Review and Herald, 1994), p. 111.
  2. Para estudo mais aprofundado sobre Apocalipse 12 e 13, incluindo muitos dos contrastes apresentados ao longo deste artigo, veja Jon Paulien, The Facebook Commentary on Revelation – Revelation Chapter 12; idem, The Facebook Commentary on Revelation – Revelation Chapter 13; Marvin Moore, Apocalipse 13: Isso poderia realmente acontecer?(Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2013); Vanderlei Dorneles, Pelo Sangue do Cordeiro: A vitória do remanescente na batalha final (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2015). (Nota acrescentada pelo tradutor.)
  3. Beatrice S. Neall, “Sealed Saints and the Tribulation”, em Frank B. Holbrook, ed.,Symposium on Revelation – Book 1, Daniel and Revelation Committee Series, v. 6 (Silver Spring, MD: Biblical Research Institute, 1992), p. 257 (a ser publicado em português pela Unaspress).
  4. Ibid., p. 256.
  5. Para compreender melhor a antítese entre o selo de Deus e a marca da besta, veja Jon Paulien, “Introdução ao estudo do sábado no Apocalipse”, em Emilson dos Reis, Renato Groger e Rodrigo Follis, orgs., Doutrina do Sábado: Implicações (Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2012), p. 25-33; Anthony MacPherson, “O sábado e a marca da besta”, em ibid., p. 35-58. (Nota acrescentada pelo tradutor.)
  6. Para estudo mais detido sobre as três mensagens angélicas, veja Hans K. LaRondelle, “O remanescente e as três mensagens angélicas”, em Raoul Dederen, ed., Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2011), p. 857-892. (Nota acrescentada pelo tradutor.)
  7. Tabela adaptada de Roberto Badenas, “New Jerusalem – The Holy City”, em Frank B. Holbrook, ed., Symposium on Revelation – Book 2, Daniel and Revelation Committee Series, v. 7 (Silver Spring, MD: Biblical Research Institute, 1992), p. 256 (a ser publicado em português pela Unaspress). Veja também David E. Aune, Revelation 17–22, Word Biblical Commentary, v. 52c (Waco, TX: Thomas Nelson, 1998), p. 1.144-1.145.
  8. George R. Beasley-Murray, The Book of Revelation, New Century Bible Commentary(Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1981), p. 315.
  9. Badenas, “New Jerusalem – The Holy City”, p. 255.

Fonte: Criacionismo

Publicado em E Conhecereis A Verdade..., Enganos do Inimigo | Deixe um comentário

Antibióticos na Criação de Animais Ameaçam Saúde Humana

Fazendeiros e criadores precisam cortar drasticamente o uso de antibióticos em seus cultivos e criações de animais, porque essa atividade está se tornando uma ameaça à saúde humana, segundo um relatório publicado no periódico Review on Antimicrobial Resistance. O uso abusivo dessas substâncias tem feito com que algumas doenças sejam atualmente quase impossíveis de ser combatidas. Mais da metade dos antibióticos no mundo são usados em animais, muitas vezes para fazer com que cresçam mais rápido.

relatório científico ainda indica novos parâmetros para o uso de antibióticos em animais. A administração excessiva desses medicamentos na criação de animais ganhou novo destaque no mês passado, quando, na China, pesquisadores advertiram que estamos à beira de uma “era pós-antibióticos”. Os cientistas descobriram uma bactéria resistente à colistina, antibiótico usado quando outros meios usualmente empregados para combatê-la falham. Aparentemente, ela surgiu em animais criados por agricultores e também foi detectada em pacientes em hospitais.

Em alguns casos, antibióticos são usados para tratar infecções em animais doentes, mas a maioria é usada de forma profilática em animais saudáveis para prevenir infecções ou aumentar seu ganho de peso – uma prática controversa e mais comum em criações intensivas.

A expectativa é de que o consumo de antibióticos no mundo aumente 67% até 2030. Só nos Estados Unidos, são usadas anualmente 3,4 mil toneladas dessas substâncias em pacientes e 8,9 mil toneladas em animais.

O economista Jim O’Neill, que liderou o estudo, disse que esses índices são “estarrecedores” e que dez milhões de pessoas morrerão por causa de infecções resistentes a antibióticos em 2050, se essa tendência não for revertida. […]

Antibióticos são mais úteis em criações com instalações com muitos animais e sujas, onde as infecções se espalham mais facilmente, então, locais mais espaçosos e higiênicos são uma forma de reduzir a necessidade de aplicar estas substâncias.

O relatório também recomenda um maior investimento na pesquisa de vacinas e testes para diagnosticar infecções específicas e afirma que países deveriam adotar uma lista de antibióticos que nunca deveriam ser usados em animais por causa de sua importância no tratamento de humanos.

Jianzhong Shen, da Universidade Agrícola da China e um dos descobridores da resistência à colistina, diz que “todos os países do mundo deveriam usar antibióticos na criação de animais de forma mais prudente e racional. Agora é a hora de haver uma reação global para restringir ou proibir o uso de antibióticos para acelerar o crescimento ou prevenir doenças”.

(BBC Brasil)

Nota: Há mais de cem anos, Ellen White escreveu: “A carne nunca foi o melhor alimento; seu uso agora é, todavia, duplamente objetável, visto as doenças nos animais estarem crescendo com tanta rapidez. Os que comem alimentos cárneos mal sabem o que estão ingerindo. Frequentemente, se pudessem ver os animais ainda vivos, e saber que espécie de carne estão comendo, iriam repelir enojados. O povo come continuamente carne cheia de micróbios de tuberculose e câncer. Assim são comunicadas essas e outras doenças” (A Ciência do Bom Viver, p. 132).

Publicado em Alimentação, Saúde | Deixe um comentário

Cientista Mostra Que a Nasa Manipula Dados Climáticos

Depois de examinar os registos climáticos de 1.153 estações meteorológicas de todo o mundo, dados que remontam a 1881, o professor Friedrich-Karl Ewert fez uma descoberta interessante. Esse geólogo aposentado e perito em computação de dados da Universidade Paderborn descobriu evidências de manipulação de dados climáticos entre 2010 e 2012, pelo Goddard Institute of Space Studies (GISS, uma divisão da Nasa). Quando os dados publicamente disponíveis arquivados em 2010 são comparados com os dados fornecidos pela Nasa em 2012, verifica-se uma diferença clara entre os dois. O GISS tem estado a alterar retroativamente dados passados para fazer parecer que o planeta está aquecendo, especialmente após o ano de 1950. Na realidade, os dados originais mostram que o planeta realmente esteve a arrefecer ao longo da segunda metade do século 20. Ao todo, dez diferentes métodos estatísticos foram utilizados para alterar a trajetória do clima do arrefecimento para o aquecimento.

“Utilizando os dados da Nasa de 2010, globalmente a temperatura da superfície de 1940 até hoje caiu 1,11 ºC e desde 2000 caiu 0,4223 ºC. O arrefecimento atingiu todos os continentes, exceto a Austrália, a qual aqueceu 0,6339 ºC desde 2000. Os números da Europa: de 1940 a 2010, utilizando os dados de 2010, houve um arrefecimento de 0,5465 ºC e um arrefecimento de 0,3739 ºC desde 2000. Os dados originais mostram quatro fases de arrefecimento e três de aquecimento desde 1881, e estamos atualmente numa fase de arrefecimento. Uma vez que os ciclos de aquecimento ocorreram antes que houvesse qualquer subida significativa nos níveis de CO2, Ewer concluiu que “não se pode ver uma influência das nossas emissões de CO2 sobre as temperaturas”. 

Embora a sua revelação tenha sido anunciada pela primeira vez numa conferência climática em 2012, ela só agora está chegando ao conhecimento público. Contudo, de certo modo, duvido que a seita climática esteja prestes a mudar de tom.

(Aepet)

Nota: Já destaquei aqui no blog a possibilidade de que o aquecimento global tenha outras causas, que não majoritariamente a humana (confira). O fato é que, se real ou não, essa bandeira vem sendo instrumentalizada por pessoas e instituições que têm grandes interesses na engenharia social, estimulando o instinto de rebanho para conseguir se intrometer no estilo de vida das pessoas.

Criacionismo

Publicado em Ciência e Religião, Curiosidades, Falsos Ensinamentos, Fenômenos Naturais, Notícias | Deixe um comentário

Cair Não é Ser Derrotado

“Porque sete vezes cairá o justo e se levantará; mas os perversos são derrubados pela calamidade.” Prov. 24:16

Este mundo é um mundo de guerra. Não falo da guerra entre nações. Este mundo vive um conflito espiritual de conseqüências eternas. Há um acusador que tenta desfigurar o caráter de Deus. Apresenta-O como um Deus tirano, cruel, intransigente e que não se preocupa por Suas criaturas. Outras vezes o projeta como um Deus complacente, permissivo e sem personalidade, simples energia ou força motivadora. Milhares de seres humanos aceitam fascinados este tipo de idéias. Compram livros, discos e vídeos. Assistem a seminários e participam de congressos onde Deus não passa de uma idéia geradora da vida e mais nada.

Quando esse tipo de estratégia não lhe dá resultado, o inimigo persegue. No livro de provérbios, Deus faz uma advertência a ele e a todos os instrumentos humanos que se atrevem a atacar aos que confiam no Senhor. “Não te ponhas de emboscada ó perverso, contra a habitação do justo, nem assoles o lugar do seu repouso”, diz o verso quinze e depois vem o texto de hoje “porque sete vezes cairá o justo e se levantará.”

Esta é uma das mais extraordinárias promessas da Bíblia. Os seus inimigos podem fazer o que quiser para destruir você. Podem usar da fraude, da mentira, da intriga ou da violência. Podem feri-lo. DESTRUÍ LÓ JAMAIS. Sete vezes você pode beijar a lona, mas se confiar em Jesus as sete vezes levantar-se-á, até que eles não terão mais forças para continuar atacando você.

É verdade que há momentos em que a flecha inimiga penetra perto do coração. Eu sei que há horas em que humanamente você sente que não tem mais forças para resistir. Tudo parece escuro. O temor invade seu coração. Nesses momentos levante os olhos em direção de Jesus. Quem confia nEle, nunca está derrotado. Ele venceu a própria morte. Emergiu da tumba e silenciou as gargalhadas do inimigo para sempre.

Esta dor vai passar. Esta tormenta é passageira. Já vem o sol de um novo dia, não desespere, não desista. Logo, logo seus inimigos servirão de estrado para os seus pés. “porque sete vezes cairá o justo e se levantará; mas os perversos são derrubados pela calamidade.”

Alejandro Bullón

Publicado em Mensagem de Esperança | Deixe um comentário

O Testemunho de Uma Astrofísica Ex-ateia

Repercutiu em sites de todo o planeta, recentemente, o testemunho de pesquisadora Sarah Salviander, do Departamento de Astronomia da Universidade do Texas e professora de Astrofísica na Universidade Southwestern. A incrível história de sua conversão a Cristo começa com seus estudos científicos e culmina com a morte da filha. Vale a pena investir cinco minutos para ler o depoimento dela:

“Nasci nos Estados Unidos e fui criada no Canadá. Meus pais eram ateus, embora preferissem se definir como ‘agnósticos’. Eles eram carinhosos e mantinham uma ótima conduta moral, mas a religião não teve papel nenhum na minha infância. O Canadá já era um país pós-cristão. Olhando em retrospectiva, é incrível que, nos primeiros 25 anos da minha vida, eu só tenha conhecido três pessoas que se identificaram como cristãs. Minha visão do cristianismo era intensamente negativa. Hoje, olhando para trás, percebo que foi uma absorção inconsciente dessa hostilidade geral que existe no Canadá e na Europa em relação ao cristianismo. Eu não sabia nada do cristianismo, mas achava que ele tornava as pessoas fracas e tolas, filosoficamente banais.

Aos 25 anos, quando abraçava a filosofia racionalista de Ayn Rand, Sarah entrou em uma universidade dos EUA: “Entrei no curso de Física da Eastern Oregon University e percebi logo a secura e a esterilidade do objetivismo racionalista, incapaz de responder às grandes questões: Qual é o propósito da vida? De onde viemos? Por que estamos aqui? O que acontece quando morremos? Notei também que esse racionalismo sofria de uma incoerência interna: toda a sua atenção se volta para a verdade objetiva, mas sem apresentar uma fonte para a verdade. E, embora se dissessem focados em desfrutar a vida, os objetivistas racionalistas não pareciam sentir alegria alguma. Pelo contrário: estavam ferozmente preocupados em se manter independentes de qualquer pressão externa.”

A atenção da jovem se voltou completamente ao estudo da física e da matemática. “Entrei nos clubes universitários, comecei a fazer amigos, e, pela primeira vez na minha vida, conheci cristãos. Eles não eram como os racionalistas: eram alegres, felizes e inteligentes, muito inteligentes. Fiquei de boca aberta ao descobrir que os meus professores de física, a quem eu admirava muito, eram cristãos. O exemplo pessoal deles começou a me influenciar e eu me via cada vez menos hostil ao cristianismo. No verão, depois do meu segundo ano, participei de um estágio de pesquisa na Universidade da Califórnia, num grupo do Centro de Astrofísica e Ciências Espaciais que estudava as evidências do Big Bang. Era incrível procurar a resposta para a pergunta sobre o nascimento do Universo. Aquilo me fez pensar na observação de Einstein de que a coisa mais incompreensível a respeito do mundo é que o mundo é compreensível. Foi aí que eu comecei a perceber uma ordem subjacente ao Universo. Sem saber, ia despertando em mim o que o Salmo 19 diz com tanta clareza: ‘Os céus proclamam a glória de Deus; o firmamento anuncia a obra das Suas mãos.’”

Depois desse insight, a razão de Sarah foi gradualmente se abrindo ao Mistério: “Comecei a perceber que os conceitos de Deus e da religião não eram tão filosoficamente banais como eu pensava que fossem. Durante o meu último ano, conheci um estudante finlandês de ciências da computação. Um homem de força, honra e profunda integridade, que, assim como eu, tinha crescido como ateu num país laico, mas que acabou abraçando Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, aos 20 anos de idade, graças a uma experiência particular muito intensa. Nós nos apaixonamos e nos casamos. De alguma forma, mesmo não sendo religiosa, eu achava reconfortante me casar com um cristão. Terminei minha formação em física e matemática naquele mesmo ano e, pouco tempo depois, comecei a dar aulas de astrofísica na Universidade do Texas em Austin.”

A penúltima etapa da jornada de Sarah foi a descoberta, também casual, de um livro de Gerald Schroeder: The Science of God [A Ciência de Deus]. “Fiquei intrigada com o título e alguma coisa me levou a lê-lo, talvez o anseio por uma conexão mais profunda com Deus. Tudo o que sei é que aquilo que eu li mudou minha vida para sempre. O Dr. Schroeder é físico do MIT e teólogo. Notei então que, incrivelmente, por trás da linguagem metafórica, a Bíblia e a ciência estão em completo acordo. Também li os Evangelhos e achei a pessoa de Jesus Cristo extremamente convincente; me senti como quando Einstein disse que ficou ‘fascinado com a figura luminosa do Nazareno’. Mesmo com tudo isso, apesar de reconhecer a verdade e de estar intelectualmente segura quanto a ela, eu ainda não estava convencida de coração.”

O encontro decisivo com o cristianismo ocorreu há apenas dois anos, depois de um acontecimento dramático: “Fui diagnosticada com câncer. Não muito tempo depois, meu marido teve meningite e encefalite; ele se curou, felizmente, mas levou certo tempo. Nossa filhinha Ellinor tinha cerca de seis meses quando descobrimos que ela sofria de trissomia 18, uma anomalia cromossômica fatal. Ellinor morreu pouco depois. Foi a perda mais devastadora da nossa vida. Eu caí nas mãos do desespero até que tive, lucidamente, uma visão da nossa filha nos braços amorosos do Pai celestial [ela não conta em que momento essa cena ocorria]: foi só então que eu encontrei a paz. Depois de todas essas provações, meu marido e eu não só ficamos ainda mais unidos, como também mais próximos de Deus. Minha fé já era real. Eu não sei como teria passado por essas provações se tivesse continuado ateia. Quando você tem 20 anos, boa saúde e a família por perto, você se sente imortal. Mas chega um momento em que a sensação de imortalidade evapora e você se vê forçada a enfrentar a inevitabilidade da própria morte e da morte das pessoas mais queridas.

“Eu amo a minha carreira de astrofísica. Não consigo pensar em nada melhor do que estudar o funcionamento do Universo, e me dou conta, agora, de que a atração que eu sempre senti pelo espaço não era nada mais do que um intenso desejo de me conectar com Deus. Eu nunca vou me esquecer de um estudante que, pouco tempo depois da minha conversão, me perguntou se era possível ser cientista e acreditar em Deus. Eu disse que sim, claro que sim. Vi que ele ficou visivelmente aliviado. Ele me contou que outro professor tinha respondido que não. Eu me perguntei quantos outros jovens estavam diante de questões semelhantes e decidi, naquela hora, que iria ajudar os que estivessem lutando com esses questionamentos. Eu sei que vai ser uma jornada difícil, mas o significado do sacrifício de Jesus não deixa dúvidas quanto ao que eu tenho que fazer.”

(In Six Days, via Neo-Ateu Toddynho)

Publicado em Ateísmo, Curiosidades | Deixe um comentário

Mariana Rios Emagrece 6 kg e diz: “Parei de Comer Carne”

Mariana Rios está com o corpo sequinho, mas quem pensa que a atriz pega pesado na academia está enganado. Além de não gostar muito de malhar, ela, que pratica exercícios mais leves, parou de comer carne. “Parei de comer carne e isso me fez emagrecer 6kg”, revelou. […] De acordo com Mariana, a decisão veio após uma conversa com uma amiga vegana. “Sempre comi carne, todos os dias da minha vida. Um dia, conversando com uma amiga vegana, perguntei por que ela decidiu mudar e ela me disse tanta coisa legal, sem querer me converter. Fui para casa depois e, quando acordei, falei: ‘A partir de hoje não como mais carne.’ Ela foi saber só dois meses depois”, contou. A atriz garantiu ainda que não sente falta. “Parei por causa dos bichos. Não foi difícil. Não sinto vontade e meu ânimo é outro. Hoje faço exercícios de que gosto, tipo andar de bicicleta, mas malhar, não. Só Jesus”, completou. […]

(Quem)

Nota: Como disse o amigo Wesley Alves: “Se eu falar isso para algumas pessoas, vão achar que sou um alienígena. As pedras a fazer um grande coral.” Realmente é curioso perceber como a ideia do vegetarianismo encontra menos resistência em certos meios do que entre pessoas que têm (ou deveriam ter) maior esclarecimento quanto ao assunto… Há até satanistas promovendo essa causa! E para quê? Simples: abrir a mente às influências espirituais. Isso funciona, tanto para o bem, quanto para o mal. Enquanto o inimigo de Deus luta para manter os membros da igreja distraídos com filmes, séries, livros, entretenimentos em geral; com filosofias secularizantes, relativistas, evolucionistas, etc., no quesito estilo de vida ele age de modo contrário: procura divulgar essa ideia para o povo em geral, enquanto tenta alimentar o preconceito daqueles que deveriam estar à dianteira desse movimento. Por quê? Simples de novo: se “os de fora” estiverem com a mente aberta e despoluída, captarão mais facilmente as filosofias e mentiras, ao passo que, se os “de dentro” estiverem com a mente obscurecida, terão dificuldades para compreender a vontade de Deus para eles. Já está mais do que na hora de buscarmos um estilo de vida saudável pelo motivo certo.

Fonte: Criacionismo

Publicado em Alimentação, Dicas de Saúde, Estilo de Vida, Saúde | Deixe um comentário

CNN Destaca Princípios da Igreja Adventista

Os princípios da Igreja Adventista do Sétimo Dia foram destaque em uma das principais redes de comunicação do mundo, a norte-americanaCable News Network (CNN). A reportagem foi produzida porque nesta terça-feira, 27, institutos de pesquisa dos Estados Unidos apresentaram dados que mostraram uma virada nas intenções de voto dos norte-americanos às primárias eleitorais republicanas. Antes o cenário vinha sendo dominado pelo candidato Donald Trump. Agora, com quatro pontos percentuais à frente, aparece o médico adventista Ben Carson, com 26% de intenções contra 22% de Donald Trump, segundo colocado.

Com estes resultados, a mídia norte-americana intensificou suas análises sobre a vida do neurocirurgião aposentado Ben Carson, com destaque para suas crenças religiosas. Dentre as inúmeras matérias que estão sendo feitas abordando esta temática, chamou a atenção nesta quarta-feira, 28, o artigo escrito por Daniel Burke, editor de religião da CNN. Em seu texto, intitulado No que os adventistas do sétimo dia como Ben Carson acreditam, o articulista detalhou algumas crenças adventistas, alegando que o próprio rival, Donald Trump, mencionou que não sabe nada sobre a fé vivida por Carson. Burke ainda afirma que muitos americanos também não sabem quase nada sobre a Igreja Adventista, que celebrou, em 2013, 150 anos de existência.

O artigo da CNN menciona que há um milhão de adventistas nos Estados Unidos, cerca de 18 milhões ao redor do mundo e oferece um “breve curso” sobre três crenças fundamentais da Igreja que são compartilhadas por outros protestantes e evangélicos. O texto comenta que (destaque em itálico para trechos traduzidos do original):

1) Os adventistas acreditam na Bíblia como a infalível palavra de Deus. Honram as Escrituras como um recurso inquestionável de sabedoria, inspiração e guia. A Igreja diz que “em Sua Palavra Deus deu ao homem o conhecimento necessário para a salvação”. Um aspecto interessante neste item foi a menção clara de que os adventistas acreditam na literalidade da Bíblia e, portanto, na literalidade de Gênesis 1, que destaca o criacionismo, ou seja, a ideia de que Deus criou o mundo em seis dias.

2) Os adventistas acreditam que Jesus veio para salvar os humanos dos seus pecados. Adventistas, como outros cristãos, também acreditam nos dois outros membros da Trindade: Deus, o Pai, e o Espírito Santo. A salvação vem através do arrependimento dos pecados e da fé em Jesus, mas a graça é finalmente garantida somente por Deus.

3) Os adventistas acreditam nos conselhos bíblicos contra o aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Seguindo para a parte final do artigo, Daniel Burke cita outras quatro doutrinas que são exclusivas dos adventistas do sétimo dia:

1) Os adventistas guardam o sábado, o “sétimo dia”. Os adventistas consideram o sábado santo e guardam esse dia, como Deus fez, no sétimo dia da semana da criação, de acordo com a Bíblia. O autor ainda explica que os adventistas também consideram bons exemplos sobre esse assunto o fato dos judeus terem guardado esse dia no Velho e Novo Testamentos, e Jesus ter seguido este hábito no Novo Testamento.

2) Os adventistas não acreditam no inferno. Diferentemente de outros cristãos, os adventistas não acreditam no inferno como um lugar com lagos de fogo e tormento eterno. Isto porque a Igreja não encontra um local como este literalmente descrito na Bíblia, explica Douglas Morgan, professor de História da Igreja na Universidade Adventista de Washington. … Adventistas também argumentam que um Deus de amor não condenaria Seu povo – mesmo pecadores – a uma punição sem fim. Na visão da Igreja, quando as pessoas morrem, elas ficam como que dormindo no pó da terra até a segunda vinda de Jesus, quando Ele julgará os vivos e os mortos. Os bons irão para o céu e os maus serão aniquilados.

3) Eles acreditam que a segunda vinda de Jesus é iminente.

4) Os adventistas acreditam nas visões e profecias de Ellen White. Douglas Morgan, professor de História da Igreja na Universidade Adventista de Washington, diz que os adventistas acreditam na Bíblia como a autoridade final, e nos escritos de Ellen White como “uma luz menor que aponta para a luz maior” – ou seja, as Escrituras Sagradas.

Repercutindo estes artigos que estão sendo publicados na imprensa norte-americano, jornais brasileiros também estão abordando essa temática, analisando a fé do candidato republicano Ben Carson.

O blogueiro Guga Chacra, do Estadão, por exemplo, redigiu um texto com o título Qual o significado de Ben Carson ser líder nas primárias republicanas? em que destaca que os norte-americanos estão optando por um candidato “super conservador”. Ao analisar o perfil de Carson, Guga enfatizou os seguintes aspectos: ele é radicalmente contra o aborto, os direitos dos homossexuais e questiona a ciência em relação ao aquecimento global ser causado pelo homem e diz acreditar na teoria da criação (Adão e Eva). [Equipe ASN, Márcia Ebinger]

Publicado em Doutrinas da Igreja, Notícias | 5 Comentários

Time: “Il nuovo impero romano”

O titulo da matéria em português é: “O Novo Império Romano“.

Secondo il settimanale americano, il pontefice è riuscito a ritagliarsi un importante ruolo diplomatico, tanto da creare un vero e proprio impero.

Altro che Marino! Il vero leader di Roma è Papa Francesco. Di più: il Santo Padre, secondo quanto scrive il Time, è riuscito a creare un vero e proprio impero paragonabile a quello dell’antica Roma.

Papa Francesco è riuscito a ritagliarsi un ruolo da mediatore in ogni scacchiera di guerra (fredda e non). Lo ha fatto con la grande veglia di preghiera per la pace in Siria, per l’accordo tra Usa e Iran sul nucleare e nuovamente tra Usa e Cuba per una riappacificazione duratura. Insomma, Papa Francesco è un fine diplomatico. Sa tirare la giacchetta dei contendenti per portarli alla ragione.

Se Giovanni Paolo II è stato il Papa che ha viaggiato di più, Francesco viaggia sì ma scegliendo con precisione i luoghi in cui dirigersi. Sud America innanzitutto, e non poteva essere altrimenti. Ma anche Turchia e Israele e Corea del Sud. Territori strategici per mantenere la pace nel mondo.

Fonte: Il Giornale.it

Tradução: De acordo com o semanário americano, o pontífice conseguiu esculpir um papel diplomático importante, de modo a criar um império real.

Diferente do Canadá! O verdadeiro líder é o Papa de Roma Francisco. Mais: o Santo Padre, como lemos em tempo, ele conseguiu criar um verdadeiro império comparável à da Roma antiga.

Papa Francisco conseguiu esculpir um papel de mediador em qualquer tabuleiro de xadrez de guerra (e não frio). Ele fez isso com a grande vigília de oração pela paz na Síria, o acordo entre os EUA e o Irã sobre questões nuclear e novamente entre os EUA e Cuba para uma reconciliação duradoura. Em suma, o Papa Francisco é um diplomata. Ele sabe como tirar o casaco dos contendores para trazê-los à razão.

Se João Paulo II foi o Papa que mais viajou, Francesco viaja sim, mas escolhe precisamente os lugares para onde ir. América do Sul em primeiro lugar, e não poderia ser de outra forma. Mas também a Turquia e Israel e Coréia do Sul. Territórios estratégicos para manter a paz mundial. (Google Tradutor)

Publicado em E Conhecereis A Verdade..., Mensagens Profeticas, Verdades Para o Tempo do Fim | Deixe um comentário